A PERSPECTIVA EXISTENCIAL DA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD PARA A PSICOLOGIA CLÍNICA

Autores

  • Eudes Rodrigues Cardoso
  • Gilmar Antoniassi Júnior

Palavras-chave:

Existencialismo, Filosofia, Kierkegaard, Psicologia

Resumo

A psicoterapia existencial nasce do pensar filosófico, não possui modelo determinista ou reducionista. Esta abordagem tem como método abrir possibilidades de vida apresentando a contribuição do pensamento filosófico de Sorem Aabye Kierkegaard na perspectiva existencial para a Psicologia. Este estudo se constitui de base qualitativa e caráter descritivo através de levantamento bibliográfico na intencionalidade de atingir os objetivos propostos no estudo. Constatou-se que o pensar do filósofo Kierkegaard sobre as relações terapêuticas e o reconhecer da angústia e de desespero na existência humana torna o ser humano autêntico, e, a partir da psicoterapia existencial busca-se reconhecimento de si mesmo e as possibilidades de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANGERAMI, Valdemar Augusto. Existencialismo e Psicoterapia. São Paulo: Traço, 1984, p.31-37.

AZAMBUJA, Sonia Curvo de. Carta a um jovem psicanalista. Jornal de Psicanalise. São Paulo, v. 40, n. 72, p.177-191, jun. 2007. Disponível em:<http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-58352007000100013&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 04 abr. 2015.

CASTILHO, Pedro Teixeira. Notas sobre a experiência mística e o feminino na Psicanálise. Psicanálise & Barroco em Revista. v. 10, n. 2, p. 88-110, dez. 2012. Disponível em: <http://www.psicanaliseebarroco.pro.br/Revista/revistas/20/PeBRev20_09_Castilho.pdf>. Acesso em: 04 abr. 2015.

CIVITA, Victor. Kierkegaard: Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultura, 1979. 81 p. Disponível em: <http://charlezine.com.br/wp-content/uploads/2012/10/31-Kierkegaard-Coleção-Os-Pensadores-1979.pdf>. Acesso em: 28 mar. 2015.

FEIJOO, Ana Maria Lopez Calvo de. A escuta e a fala em psicoterapia: uma proposta fenomenológico-existencial. 2. ed. Rio de Janeiro: Ifen, 2010. p, 15-192.

FEIJOO, Ana Maria Lopez Calvo de. In: I Simpósio de Psicologia Fenomenológico-Existencial. Belo Horizonte: Fundação Guimarães Rosa, 2008, p. 11.

FEIJOO, Ana Maria Lopez Calvo de, et al. O pensamento de Kierkegaard e a clínica psicológica. Rio de Janeiro: Ifen, 2013. p.13-115.

FEIJOO, Ana Maria Lopez Calvo de, et al. Psicologia Clínica e Filosofia. Belo Horizonte: Fundação Guimarães Rosa, 2009. 142 p.

FEIJOO, Ana Maria Lopez Calvo de; PROTASIO, Myriam Moreira. Análise existencial: uma psicologia de inspiração Kierkegaardiana. Arquivos Brasileiros de Psicologia. Rio de Janeiro, v. 63, n. 3, p. 72-88, mai. 2011. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672011000400007&lng=pt&nrm=iso>. Acessoem: 28 mar. 2015.

FERNANDES, Mônica Aparecida; CAMPOS, Ronny Francy. Temor e Tremor: A natureza da fé no pensamento de Kierkegaard para aatualidade. Cognitio-Estudos: Revista Eletrônica de Filosofia, São Paulo.v. 10, n. 1, p. 12-22, jan/jun. 2013. Disponível em: <http://revistas.pucsp.br/index.php/cognitio/article/view/11595>. Acesso em: 04 abr. 2015.

GILES, Thomas Ransom. História do Existencialismo e da Fenomenologia. São Paulo: EPU, 1937, p.15.

GIOVANETTI, José Paulo. Desafios do terapeuta existencial hoje. In: CAMON (Org.) A prática da Psicoterapia, São Paulo: Pioneira, 2005.

GIOVANETT, José Paulo et al. Fenomenologia e Psicoterapia. Belo Horizonte: Fead, 2014, p. 11-152.

GIOVANETTI, José Paulo. O encontro na perspectiva terapêutica existencial. In: GIOVANETTI, José Paulo. Psicoterapia Fenomenológico-existencial: Fundamentos filosóficos-antropológicos. Belo Horizonte: Fead, 2012. Cap. 6. p. 101-109.

JANZEN, Marcos Ricardo; HOLANDA, Adriano. Elementos para uma psicologia no pensamento de Soren Kierkegaard. Estudos e Pesquisas em Psicologia. Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p.572-596, ago. 2012. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812012000200015&lng=pt&nrm=iso>. Acessoem: 28 mar. 2015.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. 9. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

PERES, Manuela Bogéa; HOLANDA, Adriano Furtado. A noção de angústia na prática clínica: aproximações entre o pensamento de Kierkegaard e a Gestalt-terapia. Estudo e Pesquisas em Psicologia. Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p.97-118,jul. 2003. Disponível em:<http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812003000200007&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em:28 mar. 2015.

PROTASIO, Myriam Moreira. Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico. In: SIMPÓSIO DE PSICOLOGIA FENOMENOLÓGICO – EXISTENCIAL, 1, 2008, Belo Horizonte. Anais. Belo Horizonte: Fundação Guimarães Rosa, 2008. p. 158-169.

QUEIROZ, Edilene Freire de. Pais Adotivos: traçando um perfil psicológico. III Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental: IX CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL. Niterói, p.1-6, 2008. Disponível em: <http://www.psicopatologiafundamental.org/uploads/files/iii_congresso/temas_livres/pais_adotivos.pdf>. Acesso em: 28 mar. 2015.

TEIXEIRA, José Antônio Carvalho. Introdução à psicoterapia existencial. Análise Psicológica, Lisboa.v. 24, n. 3, p.289-309, jul. 2006. XXIV. Disponível em: <http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/aps/v24n3/v24n3a03>. Acesso em: 28 mar. 2015.

Downloads

Publicado

20-02-2020

Como Citar

CARDOSO, Eudes Rodrigues; ANTONIASSI JÚNIOR, Gilmar. A PERSPECTIVA EXISTENCIAL DA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD PARA A PSICOLOGIA CLÍNICA. Scientia Generalis, [S. l.], v. 1, n. 1, p. 14–21, 2020. Disponível em: https://scientiageneralis.com.br/index.php/SG/article/view/V1N1A2. Acesso em: 4 mar. 2024.

Edição

Seção

Revisão de literatura