ANÁLISE RETROSPECTIVA DA MORTALIDADE POR CÂNCER DE ESÔFAGO NO BRASIL (1998-2022): Disparidades de gênero, contraste étnico, dinâmica temporal e variações regionais

Autores

  • Marcelo Vinícius Pereira Silva Centro Universitário São Lucas - UniSL https://orcid.org/0009-0000-1680-3455
  • Ana Beatriz Alves Tivanello
  • Camila Rodrigues Bueno
  • Carmem Denise Duarte Hamud
  • Eduarda de Araújo Duarte Serrão Reis
  • Melissa Dene Muniz
  • Vitoria dos Santos Dorneles

DOI:

https://doi.org/10.22289/sg.V5N1A6

Palavras-chave:

Epidemiologia Analítica, Neoplasias Esofágicas, Registros de Mortalidade

Resumo

Objetivo: Analisar a mortalidade e comparar as tendências demográficas, temporais e regionais na mortalidade da neoplasia maligna esofágica no Brasil. Métodos: Estudo analítico, de natureza observacional e retrospectiva, para coleta de dados foi utilizado o Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) no período de 1998 a 2022 acerca do câncer de esôfago no Brasil. Resultados: Observa-se um aumento na mortalidade ao longo do tempo, com predominância em pessoas de raça caucasiana e do sexo masculino em todas as raças. Destacando-se as regiões sudeste e sul com maior incidência e mortalidade. A disparidade entre os gêneros é atribuída à maior exposição dos homens ao tabagismo e ao álcool. Na região Sul, o consumo de chimarrão é destacado como um fator de risco significativo, e a sua maior incidência em pessoas de cor branca é explicada pela alta proporção de idosos nessa região, pois o câncer de esôfago é mais comum em idosos devido à exposição prolongada a agentes cancerígenos. Conclusão: A análise científica realizada proporciona as tendências de mortalidade no Brasil acerca do câncer de esôfago e permite correlacionar estes dados aos grupos étnicos, sexo, e regiões mais acometidos. Por fim, o estudo destaca a importância dos fatores ambientais para o acometimento desta patologia, indicando intervenções na saúde pública principalmente nas regiões Sul e Sudeste, a fim de reduzir os números de mortalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACOSTA-HERNÁNDEZ, Y., et al. Caracterización clínico-histológica de pacientes con cáncer esofágico del Hospital Nacional Guido Valadares, Timor Oriental. Revista Informação Científica, [S.l.], v. 101, n. 1. p. 10-20, 2022.

ANDREAZZI DUARTE D. Coronavírus, o monstro microscópico na visão da ciência. Revista Eletrônica Acervo Saúde, [S.l.], 2020; Esp. 46: e3606.

AZEVEDO ALM dos S. IBGE - Educa | Jovens. IBGE Educa Jovens, 2022. Disponível em: https://educa.ibge.gov.br/jovens/conheca-o-brasil/populacao/18318-piramide-etaria.html. Acasso em: 10 de abr. 2024.

BARROS, S. G. S., et al. Mate (chimarrão) é consumido em alta temperatura por população sob risco para o carcinoma epidermóide de esôfago. Arquivos de Gastroenterologia, [S.l.], v. 37, n. 1, p. 25–30., 2000.

CANTARELLI, J. D. P., et al. Análise epidemiológica da mortalidade pelo câncer de esôfago na população brasileira entre os anos de 2010 a 2022. Brazilian Journal of Health Review, [S.l.], v. 7; n. 01, p. 12-254, 2014.

CORTÉS, K. S. H., et al. Caracterización clínica, epidemiológica y anatómica del cáncer de esófago. Revista Cubana de Medicina General Integral. [S.l.], v. 36, n. 4. P. 10-10, 2020.

FACCO, L., et al. Neoplasia maligna de esôfago: uma análise epidemiológica dos casos notificados no Brasil entre 2015 e 2019. Research, Society and Development, [S.l.], v. 10, n. 2. p. 01-21, 2021

FREITAS, R. A., et al. O consumo de chimarrão e o câncer de esôfago. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research, [S.l.], v. 14, p. 118-123. 2016.

GIMENO, S. G. A., et al. Fatores de risco para o câncer de esôfago: estudo caso-controle em área metropolitana da região Sudeste do Brasil. Revista de Saúde Pública, [S.l.], v. 29, p. 159–165. 1995.

LEITE, A. R. M., et al. Análise epidemiológica do câncer de esôfago nas regiões do Brasil nos últimos 5 anos. Revista de Saúde, [S.l.], v. 13, n. 3, p. 86–90. 2022.

LONGO, D. L., et al. Harrison’s Principles of Internal Medicine. 19th ed. New York: McGraw-Hill, 2015.

BRASIL, Ministério Da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes Da Silva. 2022. Disponível em: https://www.gov.br/inca/pt-br/assuntos/cancer/numeros/estimativa/sintese-de-resultados-e-comentarios. Acesso 11 de maio 2024.

NATIONAL CANCER INSTITUTE (NCI). Esophageal Cancer Screening (PDQ®)–Health Professional Version. Published: 29 June 2021. Disponível em: https://www.cancer.gov/types/esophageal/hp/esophageal-screening-pdq#_28. Acesso 11 de maio 2024.

OLIVEIRA, M. M. DE, et al. Esophageal cancer mortality in Brazil: a time-series analysis from the Global Burden of Disease Study. Arquivos de Gastroenterologia, [S.l.], v. 58, n. 1, p. 100–106. 2021.

PEREIRA, L. S., et al. Perfil clínico-epidemiológico da mortalidade por neoplasia maligna do trato gastrointestinal e sua relação aos fatores de risco no Brasil entre 2000 e 2019. Revista Eletrônica Acervo Saúde. [S.l.], v. 23, n. 9. , p. 100–106. 2023.

QUEIROGA, R. C. e PERNAMBUCO, A. P. Câncer de esôfago: epidemiologia, diagnóstico e tratamento. Revista Brasileira de Cancerologia. [S.l.], v. 52, n. 2, p. 173–178. 2006.

SANTOS, F. B., et al. Perfil epidemiológico da mortalidade por neoplasia de esôfago no Brasil, Nordeste e Sergipe no período de 2014 a 2019. Research, Society and Development. [S.l.], v. 11, n. 8, p. e56611831571. 2022.

SANTOS, J., et al. Inequalities in esophageal cancer mortality in Brazil: Temporal trends and projections. PLOS ONE. [S.l.], 13, n. 3: e0193135. 2018.

SILVA, G. R. R., GURGEL, H. e SALES, L. B. F. Análise do padrão de sexo e faixa etária dos falecidos de câncer de esôfago no Sul do Brasil. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, [S.l.], v. 20, n. 22; p. 155–167. 2022.

SILVA, M., et al. Estudo decenal dos padrões epidemiológicos de neoplasia maligna do esôfago nas unidades geográficas do Brasil (2013-2023): Análise de variações temporais e espaciais. RevistaFT. [S.l.], V. 01, n. 02, 2024. Disponível em: https://revistaft.com.br/estudo-decenal-dos-padroes-epidemiologicos-de-neoplasia-maligna-do-esofago-nas-unidades-geograficas-do-brasil-2013-2023-analise-de-variacoes-temporais-e-espaciais/. Acesso em: 11 maio 2024.

INCA. Versão Para Profissionais de Saúde. Instituto Nacional de Câncer – INCA. 2023. Disponível em: https://www.gov.br/inca/pt-br/assuntos/cancer/tipos/esofago/versao-para-profissionais-de-saude. Acesso em 08 de maio de 2024.

WANG, Y., et al. NS1-binding protein radiosensitizes esophageal squamous cell carcinoma by transcriptionally suppressing c-Myc. Cancer Commun, [S.l.], v. 38. N. 1. 2018.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Early detection. Geneva: WHO, 2007. (Cancer control: knowledge into action: WHO guide for effective programmes, module 3). Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/43743/9241547338_eng.pdf. Acesso 11 de maio 2024.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Guide to cancer early diagnosis. Iris.who.int, 2017. Disponível em: https://iris.who.int/handle/10665/254500. Acesso em: 08 de maio de 2024.

ZHANG, Y. Epidemiology of esophageal cancer. World journal of gastroenterology, [S.l.], v. 19, n. 34, p. 5598-5606. 2013.

Downloads

Publicado

04-06-2024

Como Citar

PEREIRA SILVA, Marcelo Vinícius; ALVES TIVANELLO, Ana Beatriz; BUENO, Camila Rodrigues; DUARTE HAMUD, Carmem Denise; SERRÃO REIS, Eduarda de Araújo Duarte; MUNIZ, Melissa Dene; DORNELES, Vitoria dos Santos. ANÁLISE RETROSPECTIVA DA MORTALIDADE POR CÂNCER DE ESÔFAGO NO BRASIL (1998-2022): Disparidades de gênero, contraste étnico, dinâmica temporal e variações regionais. Scientia Generalis, [S. l.], v. 5, n. 1, p. 75–85, 2024. DOI: 10.22289/sg.V5N1A6. Disponível em: https://scientiageneralis.com.br/index.php/SG/article/view/562. Acesso em: 15 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais

PURL