PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA HANSENÍASE NO MUNICÍPIO DE PINHEIRO – MARANHÃO

Autores

  • Pedro De Jeová Estumano Santos Faculdade Supremo Redentor - Facsur
  • Maria Tereza Pereira de Souza Faculdade Supremo Redentor - Facsur
  • André Sousa Almeida Faculdade Supremo Redentor - Facsur
  • Danyelle de Fátima Ferreira Ribeiro Centro Universitário Unibta - UNIBTA
  • Deandro Rodrigues Ribeiro Centro Universitário Unibta - UNIBTA
  • Raquel Estumano Santos Centro Universitário do Estado do Pará - CESUPA

Palavras-chave:

Hanseníase, Epidemiologia, SINAN

Resumo

A hanseníase é uma patologia milenar, causada por um microrganismo intracelular obrigatório, Mycobacterium leprae, que evolui lentamente, manifestando-se através de sinais e sintomas dermatoneurológicos causando lesões de pele e de nervos periféricos. Trata-se de um estudo epidemiológico, descritivo retrospectivo, cuja coleta dos dados veio a partir dos casos de hanseníase diagnosticados e notificados do município de Pinheiro – MA, no período de 2017 a 2021, nos bancos de dados online, do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) disponível pelo Departamento de Informática do SUS (DATASUS). Os casos de hanseníase no município de Pinheiro, nos respectivos anos, foram no total de 188 casos notificados. O ano de 2018 foi o maior em relação a incidência de casos, totalizando 29,78% (56) dos casos. Já em 2020, registrou menor incidência, totalizando 14,36% (27) dos casos, a maior notificação ocorreu em indivíduos com idade de 30 a 39 anos, totalizando 39 casos. No que refere as lesões cutâneas, 44 dos casos notificados ocorreram em pacientes com 2 a 5 lesões e maior que 5 foram 42 casos. A forma clínica Dimorfa foi a maior identificada no decorrer do período, com 80 casos. Das 188 notificações, 119 evoluíram para a cura e 12 abandonos. Diante dos resultados, foi possível traçar o perfil epidemiológico da doença, colocando como necessários a eliminação e controle da hanseníase.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 3125 de 7 de outubro de 2010. Aprova as diretrizes para vigilância, atenção e controle da hanseníase. Brasília. 2010b. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/prt3125_07_10_2010.html. Acesso em: 17 de abril de 2022.

Pinheiro GC, Simpson CA, Mendes FRP, Miranda FAN. Perfil de pacientes que concluíram o tratamento poliquimioterápico da hanseníase: um estudo transversal. Cienc Cuid Saude. 2021; 20: e58386. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude. Acesso em: 18 de abril de 2022.

Araújo K, Lana F. Relação da hanseníase com a cobertura da estratégia saúde da família e condições socioeconômicas. Ciencia y Enfermeria (2020) 26:1. Disponível em: https://scielo.conicyt.cl/pdf/cienf/v26/0717-9553-cienf-26-1.pdf. Acesso em: 19 de abril de 2022.

Leite KKC, Costa JML, Barral A, Caldas AJM, Corrêa RGCF, Aquino DMC. Perfil epidemiológico dos contatos de casos de hanseníase em área hiperendêmica da Amazônia do Maranhão. Cad. Saúde Colet. 2009; 17 (1): 235-249. Disponível em: http://www.cadernos.iesc.ufrj.br/cadernos/images/csc/2009_1/artigos/Art_16CSC09_1.pdf. Acesso em: 18 de abril de 2022.

Cunha MD, Cavaliere FAM, Hercules FM, Duraes SMB, Oliveira MLWDR, Matos HJ. Os Indicadores da hanseníase e as estratégias de eliminação da doença, em município endêmico do Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Publica.2007; 23:1187-97. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/8k3V5XSTbwJt69H6NNvC3DQ/?lang=pt. Acesso em: 18 de abril de 2022.

Oliveira JCF, Leão AMM, Britto FVS. Análise do perfil epidemiológico da hanseníase em Maricá, Rio de Janeiro: uma contribuição da enfermagem. Rev enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2014 nov/dez; 22(6):815-21. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/viewFile/13400/12278. Acesso em: 18 de abril de 2022.

Amaral EP, Lana FCF. Análise espacial da Hanseníase na microrregião de Almenara, MG, Brasil. Rev Bras Enferm 2008; 61:701-707. Disponível em: https://www.scielo.br/j/reben/a/86GP4BLRSbQdQzcNrjxLqMn/abstract/?lang=pt. Acesso em: 18 de abril de 2022.

Marques H. Avaliação do papel das células B na hanseníase experimental. [Doutorado]. Bauru: Universidade do Sagrado Coração; 2018. Disponível em: https://tede2.usc.br:8443/jspui/bitstream/tede/402/2/Avaliacao%20do%20papel%20das%20celulas%20B%20na%20hanseniase%20experimental%20%28217507%29.pdf. Acesso em: 18 de abril de 2022.

Gomes CCD, Gonçalves HS, Pontes MAA, Penna GO. Perfil clínico-epidemiológico dos pacientes diagnosticados com hanseníase em um centro de referência na região nordeste do Brasil. An. Bras. Dermatol. 2005: 1-6. Disponível em: https://www.scielo.br/j/abd/a/fNYjJs6zXZNtBdZxSyLnQFf/abstract/?lang=pt. Acesso em: 18 de abril de 2022.

Barbosa DRM, Almeida MG, Santos AG. Características epidemiológicas e espaciais da hanseníase no Estado do Maranhão, Brasil, 2001-2012. Medicina (Ribeirão Preto) 2014;47(4): 347-56. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/plugins/generic/hypothesis/pdf.js/viewer/web/viewer.html?file=https%3A%2F%2Fwww.revistas.usp.br%2Frmrp%2Farticle%2Fdownload%2F89579%2F92400%2F127986. Acesso em: 18 de abril de 2022.

Lima MA, Prata MO, Moreira D. Perfil da hanseníase no Distrito Federal no período de 2000 a 2005. Com Ciências Saúde 2008; 19:163-170. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-499250. Acesso em: 18 de abril de 2022.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Senso Demográfico; 2021. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/. Acesso em: 17 de abril de 2022.

Notificação de hanseníase no Brasil caiu 45% desde o início da pandemia. Galileu Digital. 2022 jan; Disponível em: https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/Saude/noticia/2022/01/notificacao-de hanseniase-no-brasil-caiu-45-desde-o-inicio-da-pandemia.html. Acesso em: 17 de abril de 2022.

Melo MAS, Coleta MFD, Coleta JAD, Bezerra JCB, Castro AM, Melo ALS, Teixeira RAG, Gomes DB, Cardoso HA. Percepção dos profissionais de saúde sobre os fatores associados à subnotificação no Sistema Nacional de Agravos de Notificação. Rev. Adm. Saúde - Vol. 18, Nº 71, abr. – jun. 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.23973/ras.71.104. Acesso em: 18 de abril de 2022.

Vieira SMS, Silva AC, Passos ACA, Araújo GR, Bezerra JMT. Perfil epidemiológico da Hanseníase entre os anos 2015 e 2020, no município de Lago da Pedra, Estado do Maranhão. Hansen int. 2020; 45:1-20. Disponível em: https://doi.org/10.47878/ hi.2020.v.45.36814. Acesso em: 18 de abril de 2022.

Sousa CRS, Feitosa MCR, Pinheiro ABF, Cavalcante KKS. Aspectos epidemiológicos da hanseníase em um município nordestino do Brasil. Rev Bras Promoç Saúde. 2019;32:9469. Disponível em: https://doi.org/10.5020/18061230.2019.9469. Acesso em: 18 de abril de 2022.

Soares GMMM, Souza EA, Ferreira AF, García GSM, Oliveira MLWD, Pinheiro ABM, Santos MAM, Ramos Jr AN. Fatores sociodemográficos e clínicos de casos de hanseníase associados ao desempenho da avaliação de seus contatos no Ceará, 2008-2019. Epidemiol. Serv. Saude, Brasília, 30(3):e2020585, 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ress/a/SXbhxh86MRfNmH7vR3cLYjR/?lang=pt. Acesso em: 18 de abril de 2022.

Marques JVS. Perfil epidemiológico da hanseníase no município de Santa Luzia – Ma. Trabalho de Conclusão do Curso de Farmácia. São Luís: Instituto Florence de Ensino Superior, 2018.

Oliveira FS. Perfil epidemiológico da hanseníase no município de Raposa – Ma. Trabalho de Conclusão do Curso de Farmácia. São Luís: Instituto Florence de Ensino Superior, 2017.

Santos TPJ. Perfil Epidemiológico da Hanseníase no Município de São José de Ribamar – Ma. Trabalho de Conclusão do Curso de Farmácia. São Luís: Instituto Florence de Ensino Superior, 2017.

Nascimento AKA. Características epidemiológicas da hanseníase no Estado da Bahia, 2005 – 2015. Dissertação de mestrado em Ciências Ambientais e Saúde. Goiânia: Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 2017. Disponível em: http://tede2.pucgoias.edu.br:8080/handle/tede/3724. Acesso em: 18 de abril de 2022.

Downloads

Publicado

2022-06-13

Como Citar

ESTUMANO SANTOS, P. D. J.; PEREIRA DE SOUZA, M. T. .; SOUSA ALMEIDA, A. .; FERREIRA RIBEIRO, D. de F. .; RODRIGUES RIBEIRO, D. .; ESTUMANO SANTOS, R. . PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA HANSENÍASE NO MUNICÍPIO DE PINHEIRO – MARANHÃO. Scientia Generalis, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 314–322, 2022. Disponível em: https://scientiageneralis.com.br/index.php/SG/article/view/410. Acesso em: 3 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais

ARK

PURL