TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA - TEA E A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: um estudo observacional sobre desafios do professor em sala de aula

Autores

  • Cristiane Alves dos Anjos Silva Universidade Autônoma de Assunção

Palavras-chave:

Autismo, Afetividade, Inclusão, Ludicidade, Prática Pedagógica

Resumo

O presente trabalho trata-se de uma observação participante que visa buscar reflexões sobre a inclusão de alunos com Transtorno do Espectro Autista (TEA) em um Espaço de Desenvolvimento Infantil no Município do Rio de Janeiro. No contexto da educação inclusiva buscou-se refletir sobre as observações da professora em sua prática pedagógica aplicada com duas crianças de (2 anos e 3 meses) idade e (2 anos e 8 meses) idade do gênero biológico masculino e feminino denominadas “M” e “M C” respectivamente com TEA, relatando os desafios encontrados nessa inclusão; abordando sobre a importância de conhecimentos pelos educadores sobre o conceito “Autismo”, a falta de estrutura dos recursos para mediar no ensino/aprendizagem, a necessidade de criar vínculos de afetividade com os alunos, e a eficácia de ser trabalhar na Educação Infantil com a ludicidade, ajudando/permitindo à professora criar metodologias específicas que contribuam para o desenvolvimento do aprendizado, não só de toda turma, mas principalmente de “M” e “M C” com esse transtorno para que ocorra uma inclusão de qualidade. Conclui-se, portanto, que se faz necessário à formação continuada da docente frente as novas configurações pedagógicas da Instituição de Ensino, bem como das demandas educacionais da atualidade para o trabalho com crianças que tenham esse transtorno para contemplar a inclusão de todos e assegurar-lhes o direito à uma educação efetiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

APPAI, Ead. Educação Continuada à Distância. Transtorno do Espectro Autista. Rio de Janeiro, 2020. Disponível em: https://www.iped.com.br/ava/aulas/72912. Acesso em 22 jan. 2021.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Centro Gráfico do Senado Federal – Brasília, 1988.

BRASIL. Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB. 9394/1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes Nacionais Curriculares para Educação Especial na Educação Básica. Brasília, DF, 2001. Disponível emhttp://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/diretrizes.pdf Acesso em: 12 mai. 2020.

BRASIL. Política de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF: Ministério da Educação/SEE, 2008.

BRASIL. Lei nº 12.764/12, 27 de dezembro de 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12764.htm Acesso em: 14 jul. 2021.

CUNHA, Eugênio. Autismo na escola: um jeito diferente de aprender, um jeito diferente de ensinar. 5 ed. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2016.

FELDMAN-BIANCO, Bela (Org.). A antropologia das sociedades contemporâneas. São Paulo: Global, 1987, p. 49-76.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

KISHIMOTO, TizukoMorchida, Jogos Infantis – Jogos, a criança e a Educação. Petrópolis, RJ: Vozes. 1999.

OLIVEIRA, Mário Cezar de. A neurociência e suas conexões com as bases educacionais. Monografia (Especialista em Neurociência Pedagógica) 37 f.. Universidade Cândido Mendes, Rio de Janeiro, 2011.

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Conselho Municipal de Educação.

RELVAS, Marta Pires. Neurociências e transtornos de aprendizagem: as múltiplas eficiências para uma educação inclusiva / Marta Pires Relvas - 6 ed. - Rio de Janeiro: Wak Editora, 2015.

RIO DE JANEIRO. Deliberação E/CME nº 24, 03 de dezembro de 2012. Fixa normas para atendimento na Educação Especial em instituições de Educação Infantil, e dá outras providências. Rio de Janeiro, 2012a. Disponível em: http://doweb.rio.rj.gov.br. Acesso em: 21 dez. 2020

SALAMANCA. Declaração de Salamanca. (Espanha). Genebra: UNESCO, 1994.

VIANNA, Heraldo Marelim. Pesquisa em educação: a observação. Liber Livro Editora Ltda. Brasília, DF. 2003.

VYGOTSKY, Lev. S. Psicologia Pedagógica – edição comentada. Porto Alegre: Artmed, 2003.

WALLON, Henri. Psicologia e Educação da Infância. Lisboa: Estampa. 1975.

Downloads

Publicado

2022-05-05

Como Citar

ALVES DOS ANJOS SILVA, C. TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA - TEA E A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: um estudo observacional sobre desafios do professor em sala de aula. Scientia Generalis, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 271–280, 2022. Disponível em: https://scientiageneralis.com.br/index.php/SG/article/view/399. Acesso em: 3 jul. 2022.

Edição

Seção

Relato de Caso e/ou Experiência

ARK

PURL