LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA: RELATO DE CASO DE UM TRATAMENTO E ACOMPANHAMENTO

Autores

  • Gabriela Brito Bispo dos Santos Faculdade Patos de Minas
  • Saulo Faculdade Patos de Minas
  • Driele Scheneidereit Santana Faculdade Patos de Minas

Palavras-chave:

Leishmaniose Visceral Canina, Epidemiologia, Tratamento

Resumo

Introdução: A leishmaniose Visceral Canina (LVC) é uma enfermidade que afeta homens e canídeos, o agente causador da propagação dessa enfermidade é mosquito do gênero Lutzomyiae espécie Lutzimyia Longipalpis, também conhecido como mosquito palha, devido a sua cor, birigui ou tatuquiras. Justificativa: A importância do trabalho baseia-se em explicar sobre o ciclo da doença além de apresentar a importância do diagnóstico e que existe possibilidade de tratamento para a LVC. Objetivo: o objetivo do trabalho foi relatar um caso clínico de LVC em uma cadela atendido e tratado em uma clínica veterinária situada em Patos de Minas – MG, além de mostrar detalhadamente todos seus processos de clínicos de acompanhamento médico veterinário em como detalhar os fármacos para o tratamento e seu prognóstico. Metodologia: relato de caso, pesquisa autorizada pelo CEUA-FPM 003/2021. Conclusão: Assim, conclui-se a partir do relato de caso acompanhado da paciente que o tratamento através do fármaco à base de Miltefosina (Milteforam) foi eficaz para o tratamento da Leishmaniose Visceral Canina no caso desta cadela, todavia percebeu-se que é um consenso de acordo com a literatura consultada. Neste caso Clínico a paciente segue em acompanhamento com a veterinária que comprova ausência nas lesões de pele e melhoria no estado imunológico. Conclui-se ainda que Patos de Minas é uma região endêmica para Leishmaniose.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

-

Publicado

05-01-2022

Como Citar

DOS SANTOS , Gabriela Brito Bispo; PEREIRA, Saulo Gonçalves; SANTANA , Driele Scheneidereit. LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA: RELATO DE CASO DE UM TRATAMENTO E ACOMPANHAMENTO . Scientia Generalis, [S. l.], v. 2, n. Supl.1, p. 102–102, 2022. Disponível em: https://scientiageneralis.com.br/index.php/SG/article/view/249. Acesso em: 4 mar. 2024.