OBSERVAÇÕES DE UMA OFICINA ORIENTADA SOBRE DIVISÃO CELULAR: contribuições e possibilidades para o ensino de genética e biologia molecular através da construção de modelos didáticos

Autores

Palavras-chave:

Educação, Ensino Médio, Genética, Modelos Didáticos

Resumo

Considerando que o ensino de genética e biologia molecular realizado na escola ainda é realizado através do método de ensino tradicional, baseado em conteúdo, quase sempre distante da realidade dos estudantes, não sendo utilizados recursos e métodos diferenciados para a implementação da sala de aula. Dessa maneira, percebe-se que a construção de modelos de ensino didáticos para as aulas teóricas e práticas podem ser utilizados no ensino de genética para torná-la mais agradáveis e ampliar o aprendizado nesta área de conhecimento e desempenho. Assim, foi realizada uma oficina com estudantes do 3º ano da Escola Estadual Carolina Silva localizada na cidade de Vazante/MG, com intuito de observar e descrever a contribuição desta metodologia no processo de ensino-aprendizagem. Para tanto, modelos didáticos foram utilizados em oficina prática durante as aulas de biologia, com massa de modelar, Com qual os estudantes representaram células e os cromossomos nas etapas da mitose e meiose. O levantamento de bibliográfico contou com pesquisas em portais de livros e periódicos, incluindo publicações relacionadas a este tema de pesquisa em contextos nacionais e internacionais, além da observação participante. As observações indicam que a construção de modelos didáticos pode ser considerada uma ferramenta eficaz para a conexão ensino-aprendizagem, e se constitui em um processo representativo, utilizando o desenvolvimento do modelo tridimensional de estruturas genômicas. Esses modelos são recursos acessíveis que podem aumentar a compreensão dos tópicos de genética e reduzir o nível de abstração por meio do aprendizado tátil. Com a observação percebeu-se que a utilização de modelos didáticos é uma importante estratégia motivacional, que potencializa a participação dos estudantes e professores em sala de aula, que efetivamente promove a aprendizagem de conceitos relacionados à genética e biologia molecular, além da promoção da socialização no decorrer da oficina no entendimento do tema. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANTUNES, A.M.; SABÓIA-MORAIS, S.M.T. O jogo Educação e Saúde: uma proposta de mediação pedagógica no ensino de Ciências. Experiências em Ensino de Ciências, v.5, n.2, p. 55-70, 2010.

AUSUBEL, D.P. Psicologia educacional. Tradução: Eva Nick. Rio de Janeiro: Editora Intramericana Ltda., 1980.

AYUSO, G.; BANNET, E. Alternativas a la enseñanza de la genética em educación secundaria. Enseñanza de las Ciencias, v.20, n.1, p.133-157, 2002.

BAHAR, M.; JOHNSTONE. H. Revisiting learning difficulties in biology. Journal Biology Education, v. 33, n. 2, 1999.

BALDWIN, N, ORGILL, M. Relationship between teaching assistants’ perceptions of student learning challengesand their use of external representations when teaching acid–base titrations in introductory chemistrylaboratory courses. Chemistry Education Research and Practice, v. 20, n. 4, p. 821-836, 2019

BANET, E.; AYUSO, G.E. Introduccion a la genética em la ensenanza secundaria y bachillerato. Ensenanza de las Ciências, p. 373-407, 1995.

BARDIN, L. Content analysis. São Paulo: Edições, 2011.

BARNI, G. S. A importância e o sentido de estudar Genética para estudantes do terceiro ano do Ensino Médio em uma escola da rede estadual de ensino em Gaspar (SC). Dissertação (Programa de Mestrado Profissional em Ciências Naturais e Matemática da Universidade Regional de Blumenau) FURB, Blumenau, 2010.

BELLOCCHI, A, RITCHIE, S. M, TOBIN, K, KING, D, SANDHU, M, HENDERSON, S. Emotional climate and high-qualitylearning experiences in science teacher education. J. Res. Sci. Teach. v. 51, p. 1301–1325, 2014.

BELMIRO, M.S., BARROS, M.D.M. Ensino de Genética no Ensino Médio: uma análise estatística das concepções prévias de estudantes pré-universitários. Revista Práxix, v.9, n.17 p.95-102, jun. 2017.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular - BNCC. Ministério da educação, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-ontent/uploads/2018/04/BNCC_EnsinoMedio_embaixa_site.pdf. Acesso em: 15, jul., 2021.

BRITO, D.R.S. Ensino de Genética: proposta para o ensino superior. Dissertação de Mestrado Profissional em Ensino de Ciências, pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências da Universidade de Brasília. Brasília. 2018.

BRITO, M.R.F. O ensino e a formação de conceitos na sala de aula. Psicologia na Educação: articulação entre pesquisa, formação e prática pedagógica (Coletâneas da Anpepp n.5, p. 73-93). Rio de Janeiro: Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Psicologia. 1996.

BROMAN K, EKBORG M, JOHNELS J. Chemistry in crisis? Perspectives on teaching and learning chemistry in Swedish upper secondary schools. Nordina. v. 7, n. 1, p. 43–53, 2011.

BUGALLO. LaDidática de la Genética: revisión bibliográfica. Ensenñanza de las Ciências, v. 13, n. 3, p.379-385, 1995.

CABRERA, W.B. A ludicidade para o ensino médio na disciplina de Biologia: contribuições ao processo de aprendizagem em conformidade com os pressupostos teóricos da Aprendizagem Significativa. Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática. Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2007.

CAMPOS, l. M. l.; BORTOLOTO, T. M.; FELICIO, A. K. C. A produção de jogos didáticos para o ensino de ciências e biologia: uma proposta para favorecer a aprendizagem. UNESP – SP, 2008.

CID, M.; NETO, A.J. Dificuldades de aprendizagem e conhecimento pedagógico: o caso da Genética. Ensenanzas de las ciências, número extra, VII Congresso, 2005.

CIRINEU, C. T, FIORATI, R. C, ASSAD, F. B. A utilização de técnicas de grupo em sala de aula: contribuições paraoprocesso de ensino-aprendizagem na graduação em terapia ocupacional. Revista de Terapia Ocupacionalda Universidade de São Paulo, v. 27, n. 3, p. 349-354, 2016.

CORRÊA, D. M. V. B.; SILVA JUNIOR, E. F. Ciência vai à escola: o Lúdico na Educação em Ciências. Universidade Federal do Paraná – Museu de Ciências Naturais, 2010

DE CAMPOS JÚNIOR, E.O.; PEREIRA, B.B.; LUIZ, D.P.; MOREIRA-NETO, J.F.; BONETTI, A.M.; KERR, W.E. Sistema sanguíneo sem mistério: uma proposta alternativa. Revista Genética na Escola - SBG. v.3, n. 3, p. 7-9 2009.

DELIZOICIV, D.; ANGOTTI, J.A.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2002.

DURÉ, R. C.; ANDRADE, M. J. D. de; ABÍLIO, F. J. P. Ensino de biologia e contextualização do conteúdo: quais temas o aluno de ensino médio relaciona com o seu cotidiano?. Experiências em Ensino de Ciências, v. 13, n. 1, p. 259-272, 2018.

FERREIRA, P., JUSTI, R. Atividades de construção de modelos e ações envolvidas. V Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. ENPEC, 2005.

FRANCISCO, G.C.B. O ensino de Genética: uma abordagem a partir dos estudos sociais da ciência e da tecnologia (ESTC). Dissertação de Mestrado (Programa de Pós-Graduação, Mestrado em Educação). FURB, 2005.

FRANZOLIN, F.; BIZZO, N. Conteúdos de genética básicos para a formação de cidadãos críticos no ensino médio segundo professores e docentes: em comparação com o defendido na literatura. IX ANPED SUL: Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul, 2012.

GABEL, D. L. Use of the particle nature of matter in developing conceptual understanding, J. Chem. Educ, v. 70, n. 3, p. 193–194, 1993.

GIACOIA, L.R.D.; BORTOLOZZI, J; CALDEIRA, A.M.A. Concluintes do ensino médio e o conhecimento de genética. Rev. Cereus. v.6, n.1, p.157-174, 2014.

GIORDAN, A.; VECCHI, G. As origens do saber – das concepções dos aprendentes aos conceitos científicos. 2ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

GOLDBACH, T.; MACEDO, A. G. A. Produção científica e saberes escolares na área de ensino de Genética: olhares e tendências. In: Jornadas Latino-Americanas de estudos sociais das Ciências e das Tecnologias. Rio de Janeiro, 2008.

HARLEN W, ELSTGEEST J. Sourcebook for science in the primary school: A Workshop approach to teacher education. Paris, France: UNESCO; 1992.

INTERAMINENSE, B. D. K. S. A Importância das aulas práticas no ensino da Biologia: Uma MetodologiaInterativa/The Importance of practical lessons in the teaching of Biology: An Interactive Methodology. ID online Revista de Psicologia, v. 13, n. 45. P. 342-354, 2019.

JANN, P.N.; LEITE, M.F. Jogo do DNA: um instrumento pedagógico para o ensino de Ciências e Biologia. Ciência & Cognição, v. 15, n. 1, 2010.

JUSTINA, L.A.D.; FERLA, M. R. A utilização de modelos didáticos no ensino de Genética – exemplo de representação de compactação de DNA eucarioto. Arquivos do Mundi, Maringá – Paraná, v.10, n.2, p. 35-40, 2006.

JUSTINA, L.A.D.; FERLA, M. R. A utilização de modelos didáticos no ensino de Genética – exemplo de representação de compactação de DNA eucarioto. Arquivos do Mundi, Maringá – Paraná, v.10, n.2, p. 35-40, 2006.

KLAUTAU-GUIMARÃES, N.; AURORA, A.; DULCE, D.; SILVIENE, S.; HELENA, H.C.A. A relação entre herança genética, reprodução e meiose: um estudo das concepções de estudantes universitários do Brasil e Portugal. VIII Congresso Internacional sobre investigación em la Didáctica de las Ciencias. Barcelona, 2008.

KRASILCHIK, M. Prática de Ensino de Biologia. 4a. ed. São Paulo, SP: Edusp, 2008.

KRASILCHIK, Myriam. Prática de ensino de biologia. Edusp, 2004.

LADELFO, J.; LISBOA, C.P.; PIZZATO, M.C. Pesquisa e análise das concepções prévias de alunos do ensino médio sobre o tema material genético. 13ª Mostra de Pesquisa, ensino e extensão Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul. Porto Alegra, 2012.

LEWIS, J., WOOD-ROBINSON, C. Genes, chro-mosomes, cell division and inheritance – do students see any relationship? International Journal os Science Education, London, v. 22, n. 2, p. 177-195, 2000.

LIEBMANN, M. Exercícios de arte para grupos. Summus Editorial, 2000.

LIMA, L. P. S, LIMA, J. F, AMORIM, T. V. Aulas práticas para o ensino de Biologia: contribuições elimitações no ensino médio. Revista de Ensino de Biologia da SBEnBio. v. 11, n. 1, p. 36-54. 2018.

LOPES, K.D., SILVA, C.C. Percepção de alunos no Ensino Médio quanto aos conceitos fundamentais de Genética básica: um estudo de caso. Rev. Ens. Educ. Cienc. Human. Londrina, PR, v.19, n.1, p.2-9, 2018.

LUCCHINI, L.M. Ecorrecreação: Uma proposta metodológica lúdica de ensino de Ciências Naturais. Dissertação de Mestrado em Educação. Centro Universitário La Salle, Canoas, 2009.

LUCIANO, Karina Maria da Fonseca. O uso de material concreto no ensino e aprendizagem da matemática. n. 11 (online). Cadernos do IME - Série Matemática, 2017. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/cadmat/article/view/23230/22548. Acesso em: 21 de jul. 2020. DOI: https://doi.org/10.12957/cadmat.

LUCKESI, C. Ludicidade e formação do educador. Revista Entreideias, Salvador, v.3, n. 2, p. 13-23, jul./dez. 2014.

MANPRIM, M.I.L.L. A implementação ou não de atividades experimentais em biologia no ensino médio e as relações com o saber profissional, baseadas numa leitura de Charlot. In: VI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis, 2007.

MARTINEZ, E.R.M.; FUJIHARA, R.T.; MARTINS, C. Show da Genética: um jogo interativo, para o ensino de Genética. Genética na Escola, 2008.

MARTÍNEZ, G, NARANJO, F. L, MATEOS, M, SÁNCHEZ, J. Recreational Experiences for Teaching Basic ScientificConcepts in Primary Education: The Case of Density and Pressure. Eurasia J. Math. Sci. Technol. v. 14, p. 1–16, 2018.

MATOS, C. H. C. et al. Utilização de Modelos Didáticos no Ensino de Entomologia. Revista de Biologia e Ciências da Terra, v. 9, n. 1, p. 19–23, 2009.

MAYER R. E. The promise of multimedia learning: using the same instructional design methods acrossdifferent media, Learn. Instruct, v. 13, n. 2, p. 125–139, 2003.

MELO, J.R.; CARMO, E.M. Investigações sobre o ensino de genética e biologia molecular no ensino médio brasileiro: reflexões sobre as publicações científicas. Ciência&Educação, v.15, n.3, p.593-611, 2009.

NEVES, M.A.; NEVES, M.L.R.C. A Biologia Forense no jogo didático: uma ferramenta motivacional para o Ensino de Genética em uma abordagem investigativa. Revista da Sociedade Brasileira do Ensino de Biologia, v. 9, 2016.

NOH, T, SCHARMANN, L. C. Instructional influence of a molecular-level pictorial presentation of matter onstudents' conceptions and problem-solving ability, J. Res. Sci. Teach, v. 34. n. 2, p. 199–217, 1997.

OTERO, M. R. Emociones, sentimientos y razonamientos en Didáctica de las Ciencias. Rev. Electrónica Investig.Educ. Cienc. v. 1, p. 24–53, 2006.

PAGEL, U. R, CAMPOS, L. M, BATITUCCI, M. D. C. P. Metodologias e práticas docentes: uma reflexão acercada contribuição das aulas práticas no processo de ensino-aprendizagem de biologia. Rev. Experiências em Ensino de Ciências, v. 10, 2015.

PAVAN, O.H. et al. Evoluindo genética: um jogo educativo. 1.ed. Campinas: Ed. Unicamp, 1998.

PEDRANCINI, V.D.; CORAZZA-NUNES, M.J.; GALUCH, M.T.B.; MOREIRA, A.L.O.R.; RIBEIRO, A.C. Ensino e aprendizagem de biologia no ensino médio e a apropriação do saber científico e biotecnológico. Revista Electrónica de Enseñasza de las Ciencias. V.6, n.2, p.299-309, 2007.

PEDROSO, C.V. Jogos didáticos no ensino de Biologia: uma proposta metodológica baseada em módulo didático. EDUCERE, 2009.

PIAGET, Jean. A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

PINTO, C. L, TAVARES, H. M. O lúdico na aprendizagem: apreender e aprender. Revista da Católica, Uberlândia, v. 2, n. 3, p. 226-235, 2010.

PREDEBON, F; Del Pino, J.C. Investigações em Ensino de Ciências uma análise evolutiva de modelos didáticos associados às concepções didáticas de futuros professores de química envolvidos em um processo de intervenção formativa – v. 14, n. 2, p. 237-254, 2009.

ROCHA, N. C, VASCONCELOS, B, MAIA, J. C, GALLÃO, M. I, RODRIGUES, D. A. M, HISSA, D. C. Jogo didático “sínteseproteica” para favorecer a aprendizagem de Biologia Celular. Experiências em Ensino de Ciências. v. 12, n. 2, p. 129-137, 2017.

RUNDGREN SNC, YAO BJ. Visualization in research and science teachers’ professional development. In Asia-Pacific Forum on Science Learning and Teaching. The Education University of Hong Kong, Department of Science and Environmental Studies. v. 15, n. 2, p. 1-21, 2014.

SANGER, M. J. Using particulate drawings to determine and improve students' conceptions of puresubstances and mixtures, J. Chem. Educ, v. 77, n. 6, p. 762–766, 2000.

SARDINHA, R., FONSECA, M. & GOLDBACK, T. O que dizem os trabalhos dos Anais dos Encontros de Pesquisa em Ensino de Ciências sobre Ensino de Genética. Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis, 2009.

SASSERON, L. H. Sobre ensinar ciências, investigação e nosso papel na sociedade. Ciências e Educação, v. 25, n. 3, p. 563-567, 2019.

SETÚVAL, F. A. R.; BEJARANO, N. R. R. Modelos didáticos com conteúdo de genética e a sua importância na formação inicial de professores para o ensino de ciências e biologia. In: Encontro Nacional de pesquisa em Educação em Ciências, 7, 2009, Florianópolis. Anais... Florianópolis: ABRAPEC, 2009. Disponível em: http://posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viiepec/pdfs/1751.pdf. Acesso em 06 de jul. de 2021.

SILVA, Henrique Mendes. A Metodologia de Resolução de Problemas no Ensino da Genética. Scientia Generalis, [S. l.], v. 2, n. 2, p. 1–13, 2021. Disponível em: http://scientiageneralis.com.br/index.php/SG/article/view/171. Acesso em: 19 jul. 2021.

SILVEIRA, L.F.S. Uma contribuição para o ensino de Genética. Dissertação (Mestrado em Ciências e Matemática). Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2008.

SOUSA, D. L. M. D, PINTO, A. G. A, JORGE, M. S. B. Tecnologia das relações e o cuidado do outro nas abordagensterapêuticas grupais do centro de atenção psicossocial de Fortaleza-Ceará. Texto & Contexto-Enfermagem, v. 19, n. 1, p. 147-154, 2010.

SOUZA, P. F. DE; FARIA, J. C. N. DE M. A construção e avaliação de modelos didáticos para o ensino de Ciências Morfológicas - uma proposta inclusiva e interativa. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer, v. 7, n. 13, p. 1550–1561, 2011.

STEWART, J. Dificulties experienced by high school students when learning basic Mendelian Genetics. In: The American Biology Teacher, v.2, n.44, p.731-739, 1982.

STIEFF, M, SCOPELITIS, S, LIRA, M. E, DESUTTER, D. Improving representational competence with concrete models, Sci. Educ., v. 100, n. 2, p. 344–363, 2016.

TAROUCO, L.M.R.; ROLAND, L.C.; FABRE, M.C.J.M.F.; KONRATH, M.L.P. Jogos Educacionais. CINTED – UFRGS. Novas Tecnologias na Educação. v.2, n. 1, Mar., 2004.

TEMP, D.S.; BARTHOLOMEI-SANTOS, M.L. O ensino de genética: a visão de professores de Biologia. Rev. Cient. Schola, v.2, n.1, p.83-95, 2018.

VARGHESE, J, MINNIE F, MOLLY J. Impact of e-resources on learning in biochemistry: first-year medical students’ perceptions. BMC Medical Education, v. 12, n. 1, p. 1–9, 2012.

VÁZQUEZ, A, MANASSERO, M. A. El declive de las actitudes hacia la ciencia de los estudiantes: Un indicadorinquietante para la educación científica. REurEDC. v. 5, p. 274–29, 2008.

VYGOTSKY, L.S. Psicologia pedagógica. Trad.Claudia Schilling. Porto Alegre: Artmed, p.576, 2003.

WADE-JAIMES, K, DEMIR, K, QURESHI, A. Modeling strategies enhanced by metacognitive tools in high schoolphysics to support student conceptual trajectories and understanding of electricity. Sci. Educ. v. 102, p. 711–743, 2018.

ZANON, D.A.V.; GUERREIRO, M.A.S.; OLIVEIRA, R.C. Jogo didático Ludo Químico para o ensino de nomenclatura dos compostos orgânicos: projeto, produção, aplicação e avaliação. Ciência & Cognição, v.13, n.1, p.72-81, 2008.

Downloads

Publicado

2022-01-09

Como Citar

SILVA, H. M. da S. OBSERVAÇÕES DE UMA OFICINA ORIENTADA SOBRE DIVISÃO CELULAR: contribuições e possibilidades para o ensino de genética e biologia molecular através da construção de modelos didáticos. Scientia Generalis, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 1–21, 2022. Disponível em: https://scientiageneralis.com.br/index.php/SG/article/view/211. Acesso em: 4 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais

ARK

PURL