A RELEVÂNCIA NAS AULAS DE CIÊNCIAS NO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS COM APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA

Autores

  • Lucy Rose de Maria Oliveira Moreira INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO SUPERIOR
  • Lucimar Oliveira Moreira Centro Universitário do Maranhão - UNICEUMA
  • Vera Lucia Neves Dias Nunes Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

Palavras-chave:

Ciências Naturais, Ensino, Aprendizagem

Resumo

Na aprendizagem de ciências naturais, as atividades experimentais devem ser garantidas de maneira a evitar que a relação teórico-prática seja transformada em uma dicotomia. As experiências despertam em geral um grande interesse nos alunos, além de propiciar uma situação de investigação. Dessa maneira, o objetivo deste trabalho foi verificar o potencial da construção do conhecimento de ciências naturais no ensino fundamental nos anos inicias e demonstrar que a utilização de experimentos propiciam um envolvimento maior do aluno em sala de aula. Quando se ensina ciências, é preciso lembrar sempre de que os conhecimentos científicos são os produtos de uma longa evolução, construídos pelo trabalho de muitos pesquisadores ao longo dos anos. Uma forma de conseguir isto, talvez seja utilizando o exemplo do cotidiano como ponto de partida para abordagem. Os experimentos de ciência são de suma importância na construção do conhecimento para que o aluno possa a partir de uma teoria acadêmica relacionar os conteúdos com o cotidiano. O construtivismo é uma linha de pensamento formulada pelo teórico Jean Piaget que se concentrou no estudo do desenvolvimento cognitivo e não propriamente no progresso de aprendizagem.

Referências

BINSFELD, Silvia Cristina; AUTH, Milton Antônio. A experimentação no ensino de ciências da educação básica: constatações e desafios. Encontro nacional de pesquisa em educação em ciências, v. 8, p. 1-10, 2011.

BRASIL. LEI nº 9.394 Diretrizes e Bases da Educação. Editora do Brasil, 1996.

CARRIJO, I. L. M. Do professor “ideal” de Ciências ao professor possível. Ensino em Revista, [s.l.], v. 4, n. 1, p. 65-71, 1995.

DE OLIVEIRA FRANCISCO, Daniela; PECHLIYE, Magda Medhat. Concepções de professores de ensino superior de um curso de Ciências Biológicas sobre aulas práticas. Revista Veras, [s.l.], v. 7, n. 1, p. 151-171, 2017.

FARIAS R. F. Química: ensino & cidadania. São Paulo. iEditora, 2002. Pág. 41.

GONÇALVES, Maria Augusta Salin. Questões metodológicas e as ciências naturais e humanas. Síntese: Revista de Filosofia, v. 22, n. 70, 1995.

GUNSTONE, Richard F. Learners in science education. Development and dilemmas in science education, p. 73-95, 1988

GUSTONE, R. F., WHITE, R. T., FENSHAM, P. J. Developments in style and prourpose of research on learning of science. Journal of Research in Science Teaching, [s.l.], v.25, n.7, 1988, p.513-29.

HENRY, John. A revolução científica e as origens da ciência moderna. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, ed. 1998

PIAGET, J. A epstemologia genética; Sabedoria e ilusões da filosofia; problemas da psicologia genética; trad. Caixeiro, N.C.,Dareir, Z.A., Di Piero, c. E.. São Paulo: ed. Abril Cultural, 1978.

PIAGET, Jean. The development of time concepts in the child. 1955.

ROSA, Carlos Augusto de Proença. História da ciência: da antiguidade ao renascimento científico / Carlos Augusto de Proença. ? 2. ed. ? Brasília : FUNAG, 2012.

SANTOS MARQUES, A.; MARQUES, J. S. . O PAPEL DA TECNOLOGIA EDUCACIONAL NA TRANSMISSÃO DE CONHECIMENTO NA PANDEMIA DA COVID-19. Scientia Generalis, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 65–76, 2021. Disponível em: http://scientiageneralis.com.br/index.php/SG/article/view/149. Acesso em: 25 jul. 2021.

SMOLKA, A. L. B., GOÉS, M. C. R. A linguagem e o outro no espaço escolar. Campinas: Papirus, 1993.

VIGOTSKII, L.S. La imaginación y el arte en la infancia (ensayo psicológico). 4ª ed. Madrid: Akal, 1998. p.07-47.

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

OLIVEIRA MOREIRA , L. R. de M. .; MOREIRA , L. O. .; NUNES, V. L. N. D. . A RELEVÂNCIA NAS AULAS DE CIÊNCIAS NO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS COM APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA. Scientia Generalis, [S. l.], v. 2, n. 2, p. 23–28, 2021. Disponível em: https://scientiageneralis.com.br/index.php/SG/article/view/154. Acesso em: 16 set. 2021.

Edição

Seção

Revisão de literatura