JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

  • Maria Vitória Camargos Silva Faculdade Patos de Minas
  • Silvia Cristina Fernandes Lima Faculdade de Patos de Minas
Palavras-chave: Educação Infantil, Jogos e Brincadeiras, Ludicidade, Aprendizagem.

Resumo

Este estudo teve como objetivo refletir sobre a importância dos jogos e brincadeiras na Educação Infantil. Buscou-se compreender a especificidade dos jogos e brincadeiras, como elementos fundamentais no desenvolvimento e aprendizado das crianças. Procurou-se ainda compreender como os jogos e brincadeiras devem fazer parte da rotina escolar não apenas como mais um recurso ou instrumento, mas, sim, como uma concepção pedagógica. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de cunho bibliográfico na qual foram consultados diversos teóricos que abordam sobre o assunto. A reflexão sobre o tema é importante na medida em que possibilita compreender que o brincar e a brincadeira devem estar presente na vida das crianças para, principalmente, proporcionar o desenvolvimento da autonomia, ampliando o conhecimento cognitivo e social. Além de enriquecer o processo ensino-aprendizagem construindo assim, uma cultura lúdica na escola. Dessa maneira, observou-se que o lúdico proporcionado por meio do jogo, brincadeira e brinquedo promovem o desenvolvimento das crianças nos diversos aspectos como: cognitivo, emocional, social, físico e afetivo. O estudo ainda revela a necessidade de romper com a ideia de que o brincar seja simplesmente um passa tempo. Por outro lado, os jogos e brincadeiras para além de uma atividade prazerosa consiste uma ação de significados e sentidos nos quais as crianças tem a oportunidade de se colocar no mundo e construir conhecimento e cultura, possibilitando, assim, a transformação social.

Referências

ALMEIDA, Paulo Nunes de. Educação lúdica: técnicas e jogos pedagógicos. São Paulo, SP: Loyola, 2008.

BRASIL. [RCNEI (1998)]. Referencial curricular nacional para a educação infantil /Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. — Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/rcnei_vol1.pdf. 18 de dez. de 2019.

BRASIL, [Diretrizes (2009)]. Diretrizes Curriculares Nacionais Educação Infantil.– Disponível em: http://portal.mec.gov.br/busca-geral/195-secretarias-112877938/seb-educacao-basica-2007048997/12579-educacao-infantil. Acesso em: 18 de dez. 2019.

BRASIL. [Base Nacional Comum Curricular (2018)]. Base Nacional Comum Curricular. Disponível em:http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 25 Set. 2020.

BRENELLI, Rosely Palermo. Os jogos como espaço para pensar. Rio de Janeiro: Saraiva, 1986.

BERNARDETTI, Kellen Cristina Alves; TEIXEIRA, Priscila Gervásio. A Ludicidade nos Espaços/Tempos Escolares, [SL], Revista Olhares & Trilhas, v. 18, n. 3, P. 116-141, 2016.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Minidicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira. 2000.

FINCO, Daniela. Relações de gênero nas brincadeiras de meninos e meninas na educação infantil. Pro-Posiçães, São Paulo, v. 14, n. 3, p. 89-101, 2003. Disponível em: https://www.fe.unicamp.br/pf-fe/publicacao/2212/42-dossie-fincod.pdf. Acesso em: 19 set. 2020.

FRIEDMANN. Adriana. Brincar: crescer e aprender. O resgate do jogo infantil. São Paulo: Moderna, 1996.

FRIEDMANN, Adriana, Jogos tradicionais. 2020. Disponível em: http://www.crmariocovas.sp.gov.br. Acesso em: 07 de Jan. 2020.

FRONZA, Dionéa Antônia. Memorial de Formação: a importância dos jogos, brinquedos e brincadeiras na educação infantil. Campinas, SP: [s.n.], 2005.

GALLARDO, Jorge Sergio Perez. Delimitando os conteúdos da cultura corporal que correspondem à área de Educação Física. Revista Conexões, Campinas, v. 1, n. 1, p. 39-54, 2003. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/325253. Acesso em 25 Jan. 2020.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. (org). Jogo, brinquedo, brincadeira e educação. Ed. 3. São Paulo: Cortez, 1999.

KOOGAN Larousse. Dicionário Enciclopédico. Rio de Janeiro: Editora Larousse do Brasil, 1978.

MALUF, Ângela Cristina Munhoz. Atividades lúdicas para Educação Infantil: conceitos, orientações e práticas. Rio de Janeiro: Vozes, 2009.

MELLO, Mª Cecília P. S. A. A técnica e a linguagem do brincar. Revista Viver & Cérebro – Coleção memória da psicanálise – Melanie Klein, vol. 3, 2006.

MENDONÇA, Eliana Maria Pereira de. Um brincar especial: a brinquedoteca e a inclusão escolar. Revista de Educação, PUC-Campinas, Campinas, v. 1, n 14, p. 35-47, 2003.

MEYER, Ivanise Corrêa Rezende. Brincar & Viver. Projetos em educação infantil. RJ, editora Wak, 2004.

NICOLAU, Marieta Lúcia Machado .Escolarização e socialização na educação infantil. Departamento de Filosofia da Educação e Ciência da Educação, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo-São Paulo, 2000. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br. Acesso em :17 jan.2020.

OLIVEIRA, Salles de Paulo. O que é brinquedo? ed. 2.São Paulo: brasiliense s.a,1984.

PEREIRA, Mary Sue. A Descoberta da Criança, introdução a educação infantil. Rio de Janeiro, Editora Wak, 2002.

QUEIROZ, Tânia Dias e MARTINS, João Luiz. Jogos e Brincadeiras de A aZ. São Paulo, Editora Rideel, 2002.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. Pensamento e linguagem. Ed. 4. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

VALLE, Luiza Elena Leite Ribeiro. Brincar de aprender: uni-duni-tê: o escolhido foi você!. Rio de Janeiro :Walk, 2008.

REGO, Teresa Cristina. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

WAJSKOP, Gisela. Brincar na educação infantil: uma história que se repete. São Paulo: Cortez, 2012.

Publicado
2020-10-03
Como Citar
SILVA, M. V. C.; LIMA, S. C. F. JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Scientia Generalis, v. 1, n. 3, p. 72-83, 3 out. 2020.
Seção
Revisão de literatura