ARBORIZAÇÃO URBANA E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO FATOR CONSCIENTIZADOR

  • José Onício Rosa da Silva Faculdade Patos de Minas
  • Mábia Suelen de Oliveira Faculdade Cidade de João Pinheiro
Palavras-chave: Arborização, Arborização Urbana, Meio Ambiente

Resumo

A arborização urbana proporciona às cidades inúmeros benefícios: estabilidade climática, melhoria na qualidade do ar, auxilia na conservação do ambiente. Sendo assim, objetivou-se fazer, através do método qualitativo e a metodologia de revisão de literatura um estudo sobre a arborização urbana verificando sua importância ea sua importância da educação ambiental para a arborização. Percebeu-se que é de fundamental importância que exista um bom planejamento para a adaptação das espécies arbóreas escolhidas e inseridas no espaço urbano, como aplicar estes conceitos em sala de aula como tema transversal, formando alunos mais conscientes com o meio ambiente.

Referências

BEZERRA, B. G. REIS, L. M. M. Educação ambiental na estação de tratamento de esgotos da universidade federal do rio grande do norte. Portal Meio Ambiente UFRN, 2009.

BIONDI, D. (2005) Árvores de Curitiba: cultivo e manejo, Curitiba. Secretaria Municipal do Meio Ambiente. Disponível em: . Acesso em 13 jul. 2015

BRASIL. Lei n. 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial [da] RepúblicaFederativa do Brasil, Brasília, DF, n. 79, Seção 1, p.1-3, 28 abr. 1999. Disponível em: . Acesso em 03 mar. 2015

CAPRA, F. A Teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix. CARDOSO, F. (2004). Árvores de Curitiba, Curitiba: [s.n.]. 1996.

CARVALHO, et al. VI-056 - Educação ambiental na operação de tratamento de esgoto - ferramenta facilitadora para a gestão ambiental, saúde pública e marketing institucional. XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental. São Paulo – SP, 2000. Disponível em: http://wwwbvsde.paho.org/bvsaidis/ImpacTo s/vi-056.pdf. Acesso em: 06 set. 2015.

CEMIG, Manual de arborização, Belo Horizonte, Fundação Biodiversitas, 2011.

COSTA, I. S.; MACHADO, R. R. B. A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UESPI- POETA TORQUATO NETO EM TERESINA - PI: DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO. REVSBAU, Piracicaba – SP, v.4, n.4, p.32-46, 2009

FESPMG. Manual Arborização. Belo Horizonte: Fespmg/uemg, 2015. 252 p. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2020.

FREZZATTI JUNIOR, Wilson Antonio. A construção da oposição entre Lamarck e Darwin e a vinculação de Nietzsche ao eugenismo. Sci. stud., São Paulo , v. 9, n. 4, p. 791-820, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-31662011000400004&lng=en&nrm=iso. Acesso em 18 de novembro de 2019.
GONÇALVES, F. S. Interdisciplinaridade e construção do conhecimento: concepção pedagógica desafiadora. Educação & Sociedade. Campinas, n. 49, p.468-485, dez. 2004.

HOGAN, Daniel Joseph. Crescimento populacional e desenvolvimento sustentável. Lua Nova, São Paulo , n. 31, p. 57-78, Dec. 1993. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64451993000300004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 27 de fevereido de 2020.

JESUS, R. M. et al. Reciclagem na escola: uma ação de educação ambiental. Educação e Contemporaneidade. Sergipe. Brasil. p. 01-13. Set. 2011.

KINDELL, Eunice Aita Isaias et al. Educação Ambiental: Vários Olhares e Varias Praticas. 2ª ed. Curitiba-PR Mediação, 2006.

LEITE, G. L. D., SOARES, M. A., JUNIOR, G. J. S., FAHEL, M. C. X.. Para não dizer que Não falei das flores: jardins como fator de promoção social em escolas. Unimontes Científica, 6:171-179. 2004.

LOMBARDO, M. A. Vegetação e clima. In: ENCONTRO NACIONAL DE ARBORIZAÇÃO URBANA, FUPEF, 3:1-13. 1990

LOPES, R. K., RITTER, M. R., RATES, S. M. K. Revisão das atividades biológicas e toxicidade das plantas ornamentaismais utilizadas no Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Biociências, v. 7, n. 3, p.305-315. 2009

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas Medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. Editora Plantarum, v. 1, 2002. 512 p.

MELLO, Leonardo Freire de; SATHLER, Douglas. A demografia ambiental e a emergência dos estudos sobre população e consumo. Rev. bras. estud. popul., São Paulo , v. 32, n. 2, p. 357-380, Aug. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-30982015000200357&lng=en&nrm=iso. Acesso em 27 de fevereiro de 2020.

MILANO, M.S.; DALCIN, E. Arborização de vias públicas. Rio de Janeiro: Light, 2000. 206p.

MONICO, Ilza Maria. Árvores e arborização urbana na cidade de Piracicaba/SP: um olhar sobre a questão à luz da educação ambiental. 2002. 125 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Ciências Florestais, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, São Paulo, 2002. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2020.

NOGUEIRA, E. C. et al. Projeto de educação ambiental: reciclar brincando. XII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e VIII Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba 2001. p. 01-04. Disponível em: www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2008/anais/.../EPG014 28_02_A.pdf. Acesso 02 set. 2015.

OLIVEIRA, M. D. et al., Cidadania, meio ambiente e sustentabilidade [recurso eletrônico] . Caxias do Sul, RS: Educs, 2017. Disponível em: https://www.ucs.br/site/midia/arquivos/ebook-cidadani-meioamb_3.pdf. Acesso em 20 de fevereiro de 2020.

PROGRAMA DE ARBORIZAÇÃO URBANA. 2005. Ampliação e re-qualificação da cobertura vegetal do município de São Paulo. Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria do Verde e do Meio Ambiente.

PEREIRA S. G et al., Educação ambiental: faces e possibilidades de uma prática possível. Riga: Novas Edições Acadêmicas; 2017. 76 p.

RIBEIRO, F. A. B. S. Arborização Urbana em Uberlândia: Percepção da População, Uberlândia, Revista da Católica, 2009.

RODRIGUES, S. B. N. Nem tudo é lixo. VII Mostra de Trabalhos “ABC na Educação Científica - Mão na Massa” 2006. p. 01-06. Disponível em: www.cdcc.sc.usp.br/mao massa/mostra_2010/.../Trabalho-34.pdf. Acesso em 04 out. 2015.

SANCHOTENE, M. do C. C. Desenvolvimento e perspectivas da arborização urbana no Brasil. In: Congresso Brasileiro de Arborização Urbana, 2, 1994. São Luís-MA. Anais... São Luís, Sociedade Brasileira de Arborização Urbana,1999. p.15-26.

SANTAMOUR-JUNIOR, F. S. Trees for urban planting: diversity, uniformity, and commonsense. In: METRIA CONFERENCE, 7., 1990, Lisle. Proceedings... Lisle: 1990. p.57-66.

SANTOS, L. C. A reciclagem de lixo na escola. Fórum ambiental da alta paulista. vol. 4. p. 01-18. 2008.

SANTOS, N. R. Z.; TEIXEIRA, I. F. Arborização de vias públicas: ambiente x vegetação. Santa Cruz do Sul: Instituto Souza Cruz, 2001. 135 p.

SEGURA, Denise de S. Baena. Educação Ambiental na escola pública: da curiosidade ingênua à consciência crítica. São Paulo: Annablume: Fapesp, 2001. 214p.

SILVA, J. R. N.; ALBUQUERQUE, D. C. SIMONE, R. et. al., ESCOLA E ARBORIZAÇÃO: UMA PRÁTICA EM EDUCAÇÃO. revista IGAPÓ - 2008/01, V. 01. Disponível em: http://www.ifam.edu.br/cms/images/revista/edicao_02/escolaearborizacao.pdf. Acesso em: 01 de junho de 2015.

SIRKIS, A.. O desafio ecológico das cidades. In Trigueiro, José. (col). Meio ambiente no século 21: 21 especialistas falam da questão ambiental nas suas áreas de conhecimento. Campinas, São Paulo. Armazém do Ipê, 2005. p. 215-229.

ZEPPONE, Rosemeire. Educação Ambiental: Teorias e Praticas Escolares. 1ª ed. São Paulo. Jan 1999.
Publicado
2020-03-10
Como Citar
SILVA, J. O. R. DA; OLIVEIRA, M. S. DE. ARBORIZAÇÃO URBANA E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO FATOR CONSCIENTIZADOR. Scientia Generalis, v. 1, n. 2, p. 1-10, 10 mar. 2020.
Seção
Revisão de literatura