ANÁLISE DO CONFLITO ENTRE A VERDADE BIOLÓGICA E O DIREITO AO PARTO ANÔNIMO DA MULHER GESTANTE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22289/sg.V4N2A2

Palavras-chave:

Parto anônimo, Verdade biológica, Mulher gestante, Maternidade

Resumo

O parto anônimo é uma prática que permite que mulheres não pratiquem abortos ilegais, dos filhos que não desejam ou não podem assumir a maternidade, e assim dar à luz sem revelar sua identidade. A pesquisa dedica-se a seguinte problemática: no sistema jurídico brasileiro, entre a verdade biológica e o direito ao parto anônimo da mulher gestante, qual direito se sobrepõe? Desta forma, o objetivo deste trabalho é analisar no sistema jurídico brasileiro o conflito entre a verdade biológica e o direito ao parto anônimo da mulher gestante. Para conquistar esse objetivo, quanto à metodologia utilizada, a pesquisa é uma pesquisa normativa-jurídica, desenvolvida pelo método científico histórico, em uma pesquisa bibliográfica; sendo realizado um estudo sistematizado, desenvolvido a partir do que já foi escrito sobre a temática em textos acadêmicos em uma abordagem qualitativa, em fontes primárias e secundárias, aplicando-se o método indutivo e dedutivo. A análise dos documentos pesquisados foi por meio da Teoria de Análise de Conteúdo, utilizada para o tratamento dos dados coletados. A pesquisa, inicialmente, analisa o direito a verdade biológica em confronto ao direito à liberdade da mulher gestante no parto anônimo. Em seguida, analisa os projetos de lei que tentaram a institucionalização do parto anônimo no ordenamento jurídico brasileiro em sequência a uma abordagem dos aspectos legais do parto anônimo no Brasil. A partir da pesquisa normativa jurídica desenvolvida, constata-se que o caminho mais protegido para permitir uma decisão livre de qualquer coerção, sem ferir a verdade biológica é fornecer assistência e informação para conscientizar mais profundamente as mulheres sobre a importância dos métodos anticoncepcionais, além de facilitar o acesso a esses métodos, com o objetivo de evitar gravidezes não planejadas, vez que, a legislação garante a verdade biológica em detrimento ao parto anônimo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALARCÓN, Pietro de Jesus Lora. Patrimônio genético humano e sua proteção na Constituição Federal de 1988. São Paulo: Editora Método, 2004.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. 70. Ed. São Paulo: 2016.

BARROSO, Luís Roberto. A dignidade da pessoa humana no direito constitucional contemporâneo: a construção de um conceito à luz da jurisprudência mundial. Belo Horizonte: Fórum, 2014.

BITTAR, Carlos Alberto. Direitos da personalidade e sua tutela. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005.

BITTAR, Eduardo C. B. Metodologia da Pesquisa Jurídica. 15 ed. Saraiva: São Paulo, 2017.

BITTAR, Eduardo Carlos Bianca. Metodologia da pesquisa jurídica. Saraiva Educação. SA, 2016.

BOBBIO, Norberto. Igualdade e Liberdade. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. 5. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002.

BORGES, Roxana Cardoso Brasileiro. Direitos da personalidade e autonomia privada. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de lei 2.747/08. Cria mecanismos para coibir o abandono materno e dispõe sobre o instituto do parto anônimo e dá outras providências. Brasília: Câmara dos Deputados, 2008. Disponível em: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=537107&filename=PL+2747/2008. Acesso em 13 de julho de 2023.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de lei 2.834/08. Institui o parto anônimo. Brasília: Câmara dos Deputados, 2008. Disponível em: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=538683&filename=PL+2834/2008. Acesso em 13 de julho de 2023.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de lei 3.220/08. Regula o direito ao parto anônimo e dá outras providências. Brasília: Câmara dos Deputados: 2008. Disponível em: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=552449&filename=PL+3220/2008. Acesso em 13 de julho de 2023.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Planalto Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 13 de julho de 2023.

BRASIL. Decreto-Lei n. 2.848 de 7 de dezembro de 1940. Código Penal. Brasília, DF: Planalto. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del2848compilado.htm. Acesso em 13 de julho de 2023.

BRASIL. Lei n. 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Código Civil. Brasília, DF: Planalto. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406compilada.htm. Acesso em 13 de julho de 2023.

BRASIL. Lei n. 12.010, de 3 de agosto de 2009. Brasília, DF: Planalto Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12010.htm. Acesso em 13 de julho de 2023.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília, DF: Planalto. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069compilado.htm. Acesso em 13 de julho de 2023.

CAIXÊTA JÚNIOR, Júlio Alves. Aspectos jurídicos constitucionais do direito de família. In: CAIXÊTA JÚNIOR, Júlio Alves. SOUZA, Keny de Melo. Direito em foco: direito de família. Londrina, PR: Thoth, 2023. ISBN 978-65-5959-431-3.

CANTALI, Fernanda Borghetti. Direitos da personalidade: disponibilidade relativa, autonomia privada e dignidade humana. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2009.

CARDIN, Valéria Silva Galdino. Reprodução humana assistida e parentalidade responsável. São Paulo: Boreal Editora, 2015.

CARVALHO, Maria Helena Campos de. Parto Anônimo. In: Eduardo Faria de Oliveira Campos, YouTube, 3 de julho de 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=0GCf_YEU79c. Acesso em 13 de julho de 2023.

CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativa, quantitativo e misto. Tradução Magda Lopes. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

CUPIS, Adriano de. Os direitos da personalidade. Tradução de Afonso Celso Furtado Rezende. São Paulo: Querum, 2008.

DIAS, José Francisco de Assis. Aborto? Sou contra! os argumentos anti-abortistas de Norberto Bobbio. Maringá: Humanitas Vivens, 2011.

DINIZ, Maria Helena. O Estado atual do biodireito. São Paulo: Editora Saraiva, 2001.

DWORKIN, Ronald. Domínio da vida: aborto, eutanásia e liberdade individuais. Tradução por Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2009.

FARIAS, Cristiano Chaves de; ROSENVALD, Nelson. Direito civil: famílias. 9. ed. Salvador: Editora Jusdivm, 2017.

FERMENTÃO, Cleide Aparecida Gomes Rodrigues. Direito à liberdade: por um paradigma de essencialidade que dê eficácia ao direito personalíssimo da liberdade. Curitiba: Juruá, 2009.

HUMANOS, CORTE EUROPEIA DE DIREITOS; CONSELHO, DA EUROPA. Convenção europeia dos direitos do homem. Roma: Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, 1950.

KNECHTEL, Maria do Rosário. Metodologia da pesquisa em educação: uma abordagem teórico-prática dialogada. Curitiba: Intersaberes, 2014.

LAKATOS, Eva Maria, MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos da Metodologia Científica. 5ª Ed.– São Paulo: Atlas, 2003.

LAMY, Marcelo. Metodologia da pesquisa jurídica técnicas de investigação, argumentação e redação. Elsevier, 2011.

LÔBO, Paulo. Direito civil: famílias. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2017.

MADALENO, Rolf Hanssen. Novas perspectivas no direito de família. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2000.

MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 8ª ed. São Paulo: Editora Atlas S. A., 2000.

OLIVEIRA, Aline Ramos de; SILVA, Simone Oliveira Flores da. O parto anônimo no ordenamento jurídico brasileiro: análise a partir dos projetos de lei. Universidade Unigranrio. Disponível em: http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/documentacao_e_divulgacao/doc_biblioteca/bibli_servicos_produtos/bibli_boletim/bibli_bol_2006/Rev-Dir-UNIGRANRIO_v.8_n.2.07.pdf. Acesso em 13 de julho de 2023.

ONU. Convenção Internacional sobre os Direitos da Criança, de 20 de novembro de 1989. Disponível em: https://brasil.un.org/pt-br. Acesso em 13 de julho de 2023.

PENALVA, Luciana Dadalto. Parto anônimo e direitos de personalidade. Revista IOB de Direito de Família, Porto Alegre, v. 9, n. 52, mar. 2009.

PERLINGIERI, Pietro. Perfis de direito civil. Tradução de Maria Cristina De Cicco. 2. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2002.

PIMENTEL, Silvia; DI GIORGI, Beatriz. PIOVESAN, Flávia. A figura/personagem mulher em processos de família. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris Editor, 1993.

PINKSE, Jonatan; KUSS, Matthias; HOFFMANN, Volker H. On the Implementation of a 'Global' Environmental Strategy: The Role of Absorptive Capacity. 26 nov. 2009. International Business Review, Spring 2010. Disponível em: https://ssrn.com/abstract=1513862. Acesso em 13 de julho de 2023.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar de. Metodologia do Trabalho Científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

SÁ, Maria de Fátima Freire de; TEIXEIRA, Ana Carolina Brochado. Filiação e biotecnologia. Belo Horizonte: Mandamentos, 2005.

SARAIVA, Eleonora Mosqueira Medeiros. O parto anônimo: a implementação do instituto no ordenamento brasileiro. Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais FAJS do Centro Universitário de Brasília (UniCEUB). Disponível em: https://repositorio.uniceub.br/jspui/bitstream/prefix/14062/1/21503109.pdf. Acesso em 13 de julho de 2023.

SARLET, Ingo Wolfgang. Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais na Constituição de 1988. 7. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2009, p. 114 -115.

SARMENTO, Daniel. Legalização do aborto e Constituição. In: CAVALCANTE, Alcilene; XAVIER, Dulce. (Orgs.). Em defesa da vida: aborto e direitos humanos. São Paulo: Católicas pelo Direito de Decidir, 2006.

SARMENTO, Daniel. Legalização do aborto e Constituição. In: SARMENTO, Daniel; PIOVESAN, Flávia (Coord.). Nos limites da vida: aborto, clonagem humana e eutanásia sob a perspectiva dos direitos humanos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.

SILVA, Edna Lúcia da; MENEZES, Estera Muszkat. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. Florianópolis: UFSC, 2005.

SZNANIASKI, Elimar. Direitos da personalidade e sua tutela. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005.

TELES, Maria Amélia de Almeida. O que são direitos humanos das mulheres? São Paulo: Brasiliense, 2006.

Downloads

Publicado

25-07-2023

Como Citar

CAIXÊTA JÚNIOR, Júlio Alves; DE CASTRO SANTOS, Diovana Késsia. ANÁLISE DO CONFLITO ENTRE A VERDADE BIOLÓGICA E O DIREITO AO PARTO ANÔNIMO DA MULHER GESTANTE. Scientia Generalis, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 23–41, 2023. DOI: 10.22289/sg.V4N2A2. Disponível em: http://scientiageneralis.com.br/index.php/SG/article/view/485. Acesso em: 4 mar. 2024.

Edição

Seção

Revisão de literatura

PURL