A RELAÇÃO DA FLEXIBILIDADE DA ARTICULAÇÃO DO QUADRIL COM O EXERCÍCIO FÍSICO

Autores

  • Pedro Jorge Cortes Morales Universidade da Região de Joinville - Univille
  • Fabricio Faitarone Brasilino Universidade da Região de Joinville - Univille
  • Eduarda Eugenia Dias de Jesus Universidade da Região de Joinville - Univille https://orcid.org/0000-0002-9166-7825

Palavras-chave:

Articulação do Quadril, Amplitude de Movimento Articular, Treinamento Resistido

Resumo

O objetivo desta pesquisa foi analisar e comparar a flexibilidade da articulação do quadril em indivíduos praticantes e não praticantes de exercícios físicos. Este estudo está caracterizado como de corte transversal e descritivo. Participaram da pesquisa 29 indivíduos praticantes (GPE) e não praticantes de exercícios (GNP), com idades entre 19 a 48 anos de ambos os gêneros. Como instrumentos de pesquisa foi utilizado o protocolo de flexibilidade do Manual de Utilização do Flexímetro da Sanny. Foram procedidas quatro posições e movimentos utilizados no teste, sendo eles: flexão, extensão, adução e abdução. O tratamento estatístico foi realizado por intermédio do programa SPSS®, versão 16.0. Para análise estatística foi utilizado Teste “T de Student” e o nível de significância adotado foi p<0,05. Em todos os momentos, foi possível analisar que o GPE obteve números de flexibilidade maiores que o GNP, no entanto, mostrando-se significância somente para adução (p<0,001). Conclui-se nesta pesquisa que os indivíduos que praticam exercícios físicos obtêm maiores valores de flexibilidade comparado com indivíduos sedentários. Assim, a partir dos resultados aqui apresentados orienta-se que é  necessário a busca por estímulos da prática do exercício físico regular, não só para alcançar maiores valores de flexibilidade, mas como uma ferramenta útil para o cuidado à saúde e realização das atividades da vida diária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabricio Faitarone Brasilino, Universidade da Região de Joinville - Univille

Possui graduação em Educação Física pela Universidade da Região de Joinville (2003). Especialização em Personal Training e Treinamento desportivo pelo CEFID Udesc (2005). Mestre em Saúde e Meio Ambiente pela Universidade da Região de Joinville (2016). Doutorando em Saúde e Meio Ambiente pela Universidade da Região de Joinville (2022) Professor do Centro Sul-Brasileiro de Pesquisa, Extensão e Pós-graduação Censupeg (2019). Docente nas disciplinas de graduação do curso de Educação Física Univille: Emergências, Fisiologia do Exercício, Medias e Avaliação no Esporte, Musculação, Treinamento Desportivo de Alto Rendimento, Atividade Física e Saúde para Populações Especiais, Prescrição do Exercício, Traumatologia do Esporte. Socorrista pela Força vital (2016). Professor da Escola de formação de socorrista-Força vital (2019) Resgatista desencarcerador pela CTILSB ACEMMER (2016). Certificação em Comportamento Extremo do Fogo (CFTB) pelo Corpo de Bombeiros Voluntários de Joinville (2019). Certificação Internacional em Suporte Básico de Vida (BLS) pela American Heart Association,(AHA-2019). Certificação em Prehospital Trauma Life Suppot - PHTLS pela NAEMT(2020)

Eduarda Eugenia Dias de Jesus, Universidade da Região de Joinville - Univille

Nasceu e mora em Joinville, Santa Catarina. Atualmente, é acadêmica do curso de Educação Física da Universidade da Região de Joinville (UNIVILLE). Despertou uma paixão pelos conhecimentos que a ciência oferece em 2019, por isso, em 2020 tornou-se integrante do Grupo de Pesquisa em Movimento (GPEM), coordenado pelo professor Pedro Jorge Cortes Morales, envolvendo-se com linhas de pesquisas relacionadas principalmente nos seguintes temas: atividade física e saúde. Atualmente, possui mais de 25 publicações científicas, contando com artigos científicos e capítulos de livros. Tem experiência, desde 2019, em natação infantil como estagiária remunerada e extensionista voluntária na mesma universidade. Foi monitora na disciplina de Esportes Aquáticos (2020) e também na disciplina de Cinesiologia e Biomecânica (2021), no qual orientou e aplicou atividades avaliativas (teóricas e práticas) para os acadêmicos do curso de Educação Física da Univille.

Referências

ACHOUR-JUNIOR, A. Bases para exercícios de alongamento: relacionado com a saúde e no desempenho atlético. Londrina: Midiograf, 1996.

COIMBRA, C. M. S.; COIMBRA, M. G. R. O método pilates e a flexibilidade em idosos: revisão de literatura. Braz. J. of Develop. Curitiba, v. 5, n. 10, p. 1938-21943, 2019. Disponível em: https://brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/4155/3920. Acesso em; 20 de setembro de 2021.

DALTIO-ROSSI, J. et al. Influência das graduações nos níveis de flexibilidade toracolombar e força muscular em praticantes de brazilian jiu-jitsu. Revista Eletrônica Nacional de Educação Física, [S.L], v. 8, n. 12, p. 12–21, 2020. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/renef/article/view/538. Acesso em 18 de setembro de 2021.

DANTAS, E. H. M. Alongamento e Flexionamento. 5ª ed. Rio de Janeiro: Shape, 2005.

FLECK, S. J.; KRAEMER, W. J. Fundamentos do treinamento de força muscular: Artmed Editora; 2017.

HEYWARD, V. H. Design for fitness. Minneapolis: Burgess. 1991.

HUGHES, D. C.; ELLEFSEN, S.; BAAR, K. Adaptations to Endurance and Strength Training. Cold Spring Harb Perspect Med. [S.L], v. 8, n. 6, p. 1-17, 2018. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28490537/. Acesso em: 17 de setembro de 2021.

LIMA, T. R. et al. Association of flexibility with sociodemographic factors, physical activity, muscle strength, and aerobic fitness in adolescents from southern Brazil. Revista Paulista de Pediatria, São Paulo, v. 37, n. 2, p. 202-208, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rpp/a/dT6ppNYFNZYQtwnS5xVkTmF/abstract/?lang=en. Acesso em 16 de setembro de 2021.

LIMA, W. S. et al. Nível de flexibilidade em adolescentes praticantes de treino de força. Motri. [S.L], v. 14, n. 1. 2018. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/333015270_Nivel_de_flexibilidade_em_adolescentes_praticantes_de_treino_de_forca. Acesso em 15 de outubro de 2021.

LIMA, M. S. et al. Comparação da flexibilidade de praticantes de treinamento resistido e praticantes de caminhada. Revista da Saúde e Biotecnologia, [S.L], v. 1, n. 1, p. 02-17, 2017. Disponível em: https://repositorio.unp.br/index.php/saudebiotecnologia/article/view/1700. Acesso em 01 de outubro de 2021.

MARQUES, J. G. P. G. et al. Exercício Aeróbico Como Ferramenta Não Farmacológica Na Prevenção E / Ou Tratamento De Pacientes Com Síndrome Metabólica. Rev Ciên Saúde, [S.L], v. 3, n. 1, p. 22-31, 2018. Disponível em: https://revistaeletronicafunvic.org/index.php/c14ffd10/article/view/94. Acesso em: 01 de janeiro de 2022.

MOURA, D. P.; TONON, D. R.; NASCIMENTO, D. F. Efeito Agudo Do Treinamento De Força Sobre A Flexibilidade De Membros Inferiores. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, [S.L], v. 12, n. 72, p. 96-100, 2018. Disponível em: http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1350. Acesso em: 01 de fevereiro de 2022.

MONTEIRO, G. de A. Avaliação da Flexibilidade: Manual de Utilização do Flexímetro Sanny. - 1º. Edição - Sanny. Agosto de 2000.

RODRIGUES, G. M. et al. Flexibilidade e força muscular: comparações entre trabalhadores da construção civil, indivíduos sedentários e praticantes de musculação. ConScientiae Saúde, [S.L], v. 17, n. 2, p. 179-186, 2018. Disponível em: https://www.redalyc.org/journal/929/92957928010/html/#:~:text=Os%20principais%20achados%20deste%20trabalho,esse%20grupo%2C%20quando%20comparados%20somente. Acesso em: 15 de dezembro de 2021.

SANTOS, P. H., et al. Avaliação e comparação da flexibilidade da região lombar e do quadril entre praticantes do alongamento ativo tradicional e o exercício Stiff Deadlift. RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, [S.L], v. 12, n. 76, p. 590-596, 2018. Disponível em: http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1464. Acesso em 25 de novembro de 2021.

SILVA, M. B. et al. Aptidão física relacionada com a saúde de jovens universitárias. CAD. EDU SAUDE E FIS. [S.L], v. 5, n. 9, 2018. Disponível em: http://revista.redeunida.org.br/ojs/index.php/cadernos-educacao-saude-fisioter/article/view/2285. Acesso em 20 de novembro de 2021.

TORRES-PAREJA, M. et al. Exercise Interventions for Improving Flexibility in People with Multiple Sclerosis: A Systematic Review and Meta-Analysis. Medicina (Kaunas, Lithuania), [S.L], v. 55, n. 11, p. 726, 2019. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31684026/. Acesso em 7 de dezembro de 2021.

UZUNIAN, M. A. et al. Aumento da flexibilidade coxo-femoral por intermédio do treinamento de força utilizando o método "pirâmide crescente”. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, [S.L], v.12, n.78, p.851-856, 2018. Disponível em: https://go.gale.com/ps/i.do?id=GALE%7CA581941215&sid=googleScholar&v=2.1&it=r&linkaccess=abs&issn=19819900&p=IFME&sw=w&userGroupName=udesc_br. Acesso em: 21 de janeiro de 2022.

Downloads

Publicado

2022-04-15

Como Citar

CORTES MORALES, P. J.; FAITARONE BRASILINO, F. .; DIAS DE JESUS, E. E. A RELAÇÃO DA FLEXIBILIDADE DA ARTICULAÇÃO DO QUADRIL COM O EXERCÍCIO FÍSICO. Scientia Generalis, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 228–234, 2022. Disponível em: http://scientiageneralis.com.br/index.php/SG/article/view/404. Acesso em: 22 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais

ARK

PURL