ACOLHIMENTO PRESTADO PELOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM ÀS GESTANTES/PARTURIENTES PORTADORAS DO VÍRUS HIV EM UMA MATERNIDADE DE SÃO LUÍS - MARANHÃO

Autores

  • Thiago Henrique Bomfim Rodrigues Instituto Florence de Ensino Superior
  • Ana Larissa Araújo Nogueira Instituto Florence de Ensino Superior
  • Fabrício Drummond Vieira da Silva Instituto Florence de Ensino Superior
  • Tatiana Elenice Araújo Instituto Florence de Ensino Superior
  • Claudia Teresa Frias Rios Universidade Federal do Maranhão

Palavras-chave:

HIV, Parturiente, Gestante, Acolhimento

Resumo

A AIDS (Acquired Immunodeficiency Syndrome) representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade. Uma das prioridades do Programa Nacional de IST e AIDS é a redução da transmissão vertical (TV) do HIV. Diante disso, acredita-se que os profissionais de enfermagem da maternidade ofereçam um acolhimento adequado, e que tenham o conhecimento de todas as medidas profiláticas, para assegurar que as parturientes portadoras de HIV, tenham um parto de menor risco para o recém-nascido (RN) e um puerpério satisfatório. Este estudo tem como objetivo descrever o acolhimento prestado pelos profissionais de enfermagem às gestantes/parturientes portadoras de HIV em uma maternidade de São Luís – MA. Trata-se de uma pesquisa quantitativa, descritiva, realizada em uma maternidade de alta complexidade do Maranhão. A amostra foi composta por 22 Enfermeiros e 38 Técnicos de Enfermagem, no período de junho a agosto de 2018. Após aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa, a coleta de dados se deu através de questionário contendo 20 questões. Quando questionados sobre como realizavam o acolhimento, 57,14% dos enfermeiros destacaram a equidade, 28,57% encaminhamento ao serviço social e orientações, 62% dos técnicos de enfermagem as orientações, 37,5% a equidade e encaminhamento ao serviço social. Os resultados obtidos permitiram traçar o acolhimento prestado pelos Enfermeiros e Técnicos de Enfermagem às gestantes/parturientes na Maternidade de Alta Complexidade do Maranhão, desde a internação até a sua alta, revelando pontos importantes para uma assistência total e humanizada não só à gestante/parturiente, mas também à sua família. Algumas lacunas foram observadas para realização de uma assistência totalizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. 8. Ed.rev - Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Relatório da UNAIDS. Acabando com a AIDS: progresso rumo às metas 90–90–90. Genebra; 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatite Virais. Boletim Epidemiológico – Aids e DST – Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Teste rápido de gravidez na Atenção Básica: guia técnico – Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

Cavalcante MS et al. Prevenção da transmissão vertical do vírus da Imunodeficiência humana: análise da adesão às medidas de profilaxia em uma maternidade de referência em Fortaleza, Ceará, Brasil. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant. Recife, 2012.

Silva RAR, Castro RR, Pereira IRBO, Oliveira SS. Questionário para avaliação das ações de controle do HIV/Aids na Atenção Básica. Acta Paul Enferm. 2017; 30(3):271-9.

Conselho Federal de Enfermagem – Cofen; Fundação Instituto Oswaldo Cruz – FIOCRUZ. Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil [Internet]. Brasília: 2013. [acessado 2018 out 15]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/perfilenfermagem/.

Correia TIG, Pereira MLI. Os cuidados de enfermagem e a satisfação dos consumidores no puerpério. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2015 jan./mar.;17(1):21-9.

Cartaxo CMB, Nascimento CAD, Diniz CMM e Brasil DRPA. Gestantes portadoras de HIV/AIDS: Aspectos psicológicos sobre a prevenção da transmissão vertical. Estudos de Psicologia, 18(3), julho-setembro/2013, 419-427.

Viana RB, Ferreira HC, Santos MLSC, Cabrita BAC. Vivências de gestantes soropositivas em relação à assistência de enfermagem: estudo descritivo. Cienc Cuid Saúde 2013 Jul/Set; 12(3):550-557.

Silva O, Guilhem D, Bampi LNS. Trinta minutos que mudam a vida: Teste Rápido Anti-HIV Diagnóstico para parturientes e acesso ao pré-natal. Enfermagem em Foco 2012; 3(4): 211-215.

Fonseca PL, Iriart, JAB. Aconselhamento em DST/Aids às gestantes que realizaram o teste anti-HIV na admissão para o parto: os sentidos de uma prática. Comunicação Saúde Educação v.16, n.41, p.395-407, abr./jun. 2012.

Brasil. Ofício Circular 11/2013-DAB/SAS/MS, de 15 de maio de 2013. Dispõe sobre solicitação dos Testes Rápidos de HIV e Sífilis para execução na Atenção Básica por meio do Sistema de Controle Logístico de Insumos Laboratoriais (SISLOGLab) para oferta, prioritariamente, às gestantes e suas parcerias sexuais. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

Conselho Regional de Enfermagem - Coren. Parecer técnico COREN/PR nº 09/2017. Dispõe sobre a realização de testes rápidos de HIV, hepatites virais e sífilis pela equipe de enfermagem. Pré e pós aconselhamento. Paraná: COREN, 2017.

Araújo CLF, Signes AF, Zampier VSB. O cuidado à puérpera com hiv/aids no alojamento conjunto: a visão da equipe de enfermagem. Esc Anna Nery (impr.)2012 jan-mar; 16 (1):49- 5.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia do Pré-Natal do Parceiro para Profissionais de Saúde.1. Ed.rev. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

Sousa AFL, Queiroz AAFLN, Oliveira LB, Moura MEB, Batista OMA e Andrade D. Representações sociais da Enfermagem sobre biossegurança: saúde ocupacional e o cuidar prevencionista. Rev Bras Enferm [Internet]. 2016 set-out;69(5):864-71.

Tonello IMS, Nunes RMS, Panaro AP. Prontuário do paciente: a questão do sigilo e a lei de acesso à informação. Inf. Inf., Londrina, v. 18, n. 2, p. 193 – 210, maio/ago. 2013.

Conselho Federal de Enfermagem – Cofen. Guia de Recomendações para registro de enfermagem no prontuário do paciente e outros documentos de enfermagem. Brasília: Cofen, sd.

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução CFM nº 1.638/2002, de 9 de agosto de 2002. Define prontuário médico e torna obrigatória a criação da Comissão de Revisão de Prontuários nas instituições de saúde. Brasília, 2002.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Sistema de Informação de Noti?cação de Agravos –SINAN. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2006.

Ramos JIM, Menezes LS, Sousa DS. Perfil das gestantes hiv/aids admitidas em uma maternidade de alto risco no município de Aracaju/se. Cadernos de Graduação - Ciências Biológicas e da Saúde. Aracaju v. 1 n.17 p. 27-38 out. 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Educação Permanente. 9. Ed.rev. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Portaria nº 198/GM de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Brasília: 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Básica. Secretaria de Vigilância em Saúde. Orientações para a Implantação dos Testes Rápidos de HIV e Sífilis na Atenção Básica - Rede Cegonha. Brasília: sd.

Barros SG, Silva LMV. A terapia antirretroviral combinada, a política de controle da Aids e as transformações do Espaço Aids no Brasil dos anos 1990. Saúde Debate Rio de janeiro, v. 41, n. Especial 3, p. 114-128, set 2017.

Downloads

Publicado

2022-03-02

Como Citar

BOMFIM RODRIGUES, T. H.; ARAÚJO NOGUEIRA, A. L. .; VIEIRA DA SILVA, F. D.; ARAÚJO, T. E. .; FRIAS RIOS, C. T. . ACOLHIMENTO PRESTADO PELOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM ÀS GESTANTES/PARTURIENTES PORTADORAS DO VÍRUS HIV EM UMA MATERNIDADE DE SÃO LUÍS - MARANHÃO. Scientia Generalis, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 160–172, 2022. Disponível em: http://scientiageneralis.com.br/index.php/SG/article/view/388. Acesso em: 22 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais

ARK

PURL