MORBIDADE NEONATAL NAS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA EM HOSPITAIS DO TRIÂNGULO MINEIRO – MINAS GERAIS: vigilância dos últimos quatro anos

Autores

  • Bruna Tavares Diniz Faculdade Patos de Minas
  • Heuler dos Reis Rodrigues Faculdade Patos de Minas
  • Carla Cristina Ferreira de Andrade Faculdade Patos de Minas

Palavras-chave:

Morbidade, Neonatal, UTIN

Resumo

Este artigo mostra os fatores e patologias que levam a mortalidade nas Unidades de Terapia Intensiva Neonatal – UTIN’s em duas cidades da região do triângulo mineiro, a saber, Patos de Minas (A) e Araguari (B). Em decorrência das ações de promoção de saúde da criança no Brasil, a taxa de mortalidade neonatal encontra-se em declínio em várias regiões do país. Essa diminuição é um indicador de saúde usado para avaliar a qualidade da saúde oferecida pelas diversas regiões do Brasil e propor assim ferramentas para redução até mesmo da morbidade. O objetivo desta pesquisa e um estudo descritivo sobre a taxa de morbidade no período neonatal no período de 2012 a 2016. Para alcançar os objetivos propostos foi realizada pesquisa no banco de dados do programa TabWin, versão 3.6, Data Sus do Ministério da Saúde.  Foram incluídos 1.605 (mil seiscentos e cinco) recém-nascidos internados em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (A 785 RN e B 820 RN). A taxa de morbidade apresentou alta no período neonatal (³89%); sistema respiratório (³1,46%), infecções (³1,53%), malformação congênita e anomalia cromossômica (³1,34%) em ambos os sexos. Apenas a taxa de infecção (1,15%) apresentou-se maior em Araguari. A prevalência da morbidade neonatal comportou-se de forma semelhante entre as cidades que possuem, aproximadamente, a mesma densidade demográfica. Entretanto A apresentou menor número de Unidades de Terapia com maior rotatividade, quando comparada com a cidade situada no centro do triângulo mineiro. Para atender às metas do milênio, há necessidade de investigação para ações que promovam a redução da taxa de morbidade. 

Referências

ARAÚJO, D.M.; PEREIRA, N.L.; KAC, G. Ansiedade na gestação prematuridade e baixo peso ao nascer. Uma revisão sistemática da literatura. Caderno de Saúde Pública, v.23, n.4, p.747-756, 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csp/v23n4/01.pdf>. Acesso em: 26 set. 2017.

BASSO, C.G.; NEVES, E.T.; SILVEIRA, A. Associação entre realização de pré-natal e morbidade neonatal. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, v.21, n.2, p.269-276, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/tce/v21n2/a03v21n2.pdf.>. Acesso em: 22 ago. 2017.

BECK, S. et al. The worldwide incidence of preterm birth: a systematic review of maternal mortality and morbidity. Bulletin World Health Organization, Geneva, v.88, n.1, p.318, 2012. Disponível em: <http://www.scielosp.org/pdf/bwho/v88n1/a12v88n1.pdf>. Acesso em: 26 abr. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Dados epidemiológicos da Mortalidade na UTI Neonatal pelo Sistema Data SUS, 2016. 2016. Disponível em: <http:// www.datasus.saude.gov.br>. Acesso em: 12 fev. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Brasília, 2011.

GRANZOTTO, J.A.; FONSECA, S.S.; LINDEMANN, F.L. Fatores relacionados com a mortalidade neonatal em uma Unidade de Terapia Intensiva neonatal na região Sul do Brasil. Revista da AMRIGS, Porto Alegre, v.56, n.1, p.57-62, 2012. Disponível em: <http://amrigs.org.br/revista/56-1/0000095683-11_935.pdf>. Acesso em: 26 ago. 2017.

LIBERALI, J.; DAVIDSON, J.; SANTOS, A. Availability of physical therapy assistance in neonatal intensive care units in the city of São Paulo, Brazil. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v.26, n.1, p.57-64, 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbti/v26n1/0103-507X-rbti-26-01-0057.pdf>. Acesso em: 18 abr. 2017.

LORENZINI, E.; COSTA, T.; SILVA, E. F. Prevenção e controle de infecção em unidade de terapia intensiva neonatal. Revista Gaúcha de Enfermagem, Caxias do Sul, v.34, n.4, p.107-113, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v34n4/14.pdf>. Acesso em: 22 jul. 2017.

MACHADO JUNIOR, L.C.; PASSINI JUNIOR, R.; ROSA, I.R. Late prematurity: a systematic review. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v.90, p. 221-231, 15 ago. 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/jped/v90n3/pt_0021-7557-jped-90-03-00221.pdf>. Acesso em: 18 ago. 2017.

PRASAD, P.A. et al. Surgical site infections in a longitudinal cohort of neonatal intensive care unit patients. Journal Perinatology, v.36, n.4, p.300-305, 2016. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4808461/pdf/nihms734194.pdf>. Acesso em: 18 ago. 2017.

SILVA, A.M. et al. Morbidade neonatal near miss na pesquisa Nascer no Brasil. Caderno de Saúde Pública, v.30, p.182-191, 2014 Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csp/v30s1/0102-311X-csp-30-s1-0182.pdf>. Acesso em: 2 set. 2017.

TAPIA, J.L. et al. Displasia broncopulmonar: incidência, fatores de risco e utilização de recursos em uma população sul americana de recém nascidos de muito baixo peso. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v.82, p.15-20, 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/jped/v82n1/v82n1a05.pdf>. Acesso em: 25 abr. 2017.

Downloads

Publicado

2020-03-17

Como Citar

DINIZ, B. T. .; RODRIGUES, H. dos R. .; ANDRADE, C. C. F. de . MORBIDADE NEONATAL NAS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA EM HOSPITAIS DO TRIÂNGULO MINEIRO – MINAS GERAIS: vigilância dos últimos quatro anos. Scientia Generalis, [S. l.], v. 1, n. 2, p. 88–94, 2020. Disponível em: http://scientiageneralis.com.br/index.php/SG/article/view/29. Acesso em: 21 abr. 2021.

Edição

Seção

Artigos Originais