A IMPORTÂNCIA DA REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE 1 PÓS ANGIOPLASTIA CORONÁRIA TRANSLUMINAL PERCUTÂNEA NO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO COM SUPRADESNIVELAMENTO DO SEGMENTO ST

  • Gleide Campos da Silva Faculdade Cidade de João Pinheiro
  • Wemerson Pereira dos Santos Faculdade Cidade de João Pinheiro
Palavras-chave: Infarto agudo do miocárdio, Reabilitação cardiovascular, Fisiologia cardiovascular, Fisioterapia

Resumo

O presente estudo buscou demonstrar a importância da reabilitação cardíaca fase 1 pós angioplastia coronária transluminal percutânea (PTCA) no infarto agudo do miocárdio (IAM) com supra desnivelamento do segmento ST (C/SST).   O objetivo foi descrever a importância da reabilitação cardíaca fase 1 pós angioplastia, coronária transluminal percutânea no infarto agudo do miocárdio, com supradesnivelamento do segmento ST, como também analisar os fatores que causam o infarto agudo do miocárdio e investigar suas principais características. A pesquisa baseou-se em revisão bibliográfica com o método qualitativo, sendo utilizadas bases de dados eletrônicos como Scielo, Birene, Lilacs, entre outros. O estudo revelou que a fisioterapia vem sendo de suma importância na reabilitação cardíaca fase 1 nos pós (PTCA) no infarto agudo do miocárdio com ST. O intuito fisioterapêutico é restabelecer o retorno precoce às atividades de vida diária, podendo ser caracterizado como conjunto de ações fundamentais para garantir aos portadores de cardiopata melhor condicionamento físico, psicológico e social, tornando-os capazes, tanto para realizar suas atividades de vida diária, quanto o retorno ao trabalho.

Referências

AVEZUM JÚNIOR, A. et. al. Fatores de risco associados com infarto agudo do miocárdio na região metropolitana de São Paulo. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. São Paulo, v. 84, n.3, 2005. Disponível em: Acesso em: julh. 2019.
BASSAN, R, et al. Sociedade Brasileira de Cardiologia. I Diretriz de Dor Torácica na Sala de Emergência. Arquivo Brasileiro de Cardiologia. 2014. Disponível em: Acesso em: mar. 2019.
BERRY, J. R. S.; CUNHA, A. B. Avaliação dos efeitos da reabilitação cardíaca em pacientes pós-infarto do miocárdio. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, p. 101-110, 2010. Disponível em: Acesso em: ago. de 2019.
CORTEZ, A. A. et al. Diretriz de reabilitação cardiopulmonar e metabólica: aspectos práticos e responsabilidades. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 86, n. 1, p. 74-82, 2006. Disponível em: Acesso em: ago.2019.
EBSERH. Fisioterapia no infarto agudo do miocárdio: abordagem hospitalar. Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, 2018. Disponível em: Acesso em: set. 2019.
FELTRIM, M. I. Z.; JATENE, F. B.; BERNARDO, W. M. Em pacientes de alto risco, submetidos à revascularização do miocárdio, a fisioterapia respiratória pré-operatória previne as complicações pulmonares? Revista da Associação Médica Brasileira. 2007;53(1):1-12. Disponível em: Acesso em: nov. 2019.
FERRARI, A. D. L. et al. IAM com Supra-ST Trombólise ou ICP: Consenso. Revista da sociedade de Cardiologia do Rio Grande do Sul, n.11. Porto alegre 2007. Disponível em: Acesso em: mai 2019.
FERREIRA, P. E. G.; RODRIGUES, A. J.; ÉVORA, P. R. B. Efeitos de um programa de reabilitação da musculatura inspiratória no pós-operatório de cirurgia cardíaca. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 92, n. 4, p. 275-282, 2009. Disponível em: Acesso em: nov. 2019.
FIGUEIREDO, A. E. et al. Determinação do Tempo de Apresentação a Emergência de Pacientes com Infarto Agudo do Miocárdio. Revista de Enfermagem da UFSM, n.3, v.1, p.93-101, 2013. Disponível em: Acesso em: mai. 2019.
GONÇALVES, F. D. P. et al. Avaliação da qualidade de vida pós-cirurgia cardíaca na fase I da reabilitação através do questionário MOS SF-36. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 10, n. 1, p. 121-126, jan./mar. 2006. Disponível em: Acesso em: mai. 2019.
GUYTON. A. C.; HALL, l. E. Fisiologia humana e mecanismos das doenças. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.
GUYTON. A. C.; HALL, l. E. Fisiologia humana e mecanismos das doenças. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012.
HISS, M. D. B. S. et al. Segurança da intervenção fisioterápica precoce após o infarto agudo do miocárdio. Fisioterapia em Movimento, v. 25, n. 1, p. 153-163, 2012. Disponível em: . Acesso em: mai. 2019.
KILLIP, T.; KIMBALL, J. T. Treatment of myocardial infarction in coronary care unit. A two year experience with 250 patients. Am Journal Cardiology Oct;20(4):457-64, 1967. (Tradução). Disponível em: Acesso em: ago. 2019.
KUMAR, V.; ABBAS, A. K.; ASTER, J. C. Robbins: patologia básica. 9. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013. Pp. 374, 377-384.
LIMA, P. M. B. et al. Fisioterapia no pós-operatório de cirurgia cardíaca:a percepção do paciente. Revista Brasileira de Cirurgia Cardiovascular. 2011. Disponível em: Acesso em: out. 2019.
MAIR, V. et al. Perfil da fisioterapia na reabilitação cardiovascular no Brasil. Fisioterapia em Pesquisa. 2008. Disponível em: Acesso em: set. 2019.
MANSUR, A. P.; FAVARATO, D. Tendências da Taxa de Mortalidade por Doenças Cardiovasculares no Brasil, 2012. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. (online), 2016. Disponível em: Acesso em: mai. 2019.
MARTINS, H. S. Síndromes Coronarianas Agudas com elevação do segmento ST In: MARTINS, H. S. et al. Emergências Clínicas: abordagem prática. Disciplina de Emergências Clínicas Hospital das Clínicas da FMUSP. 8. ed. São Paulo: Manole, 2013. Pp. 655-660.
MARTINS, L. N. et al. Prevalência dos fatores de risco cardiovascular em adultos admitidos na unidade de dor torácica em Vassouras, RJ. Revista Brasileira de Cardiologia [Internet]. 2011;24(5):299-307. Disponível em: Acesso em: out. 2019.
MATTOS, L. A. P. et al. V Diretriz da sociedade brasileira de cardiologia sobre tratamento do infarto agudo do miocárdio com supradesnível do segmento ST. Disponível em: Acesso em: fev. 2019.
MENEGHELO, R. et al. Prevenção secundária da doença arterial coronária pela atividade física. Revista da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo. 2005;15(2):130. Disponível em: Acesso em out. 2019.
MUELA, H. C. S.; BASSAN, R.; SERRA, S. M. Avaliação dos benefícios funcionais de um programa de reabilitação cardíaca. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Rio de Janeiro, v. 24, n. 4, p. 241-250, 2011. Disponível em: Acesso em: out. 2019
OLIVEIRA, K. C. S. Fatores de risco em pacientes com infarto agudo do miocárdio em um hospital privado de Ribeirão Preto – SP. 2004. 100f. (Dissertação de Mestrado) – Escola de Enfermagem, Universidade Estadual de São Paulo, Ribeirão Preto, 2004. Disponível em: Acesso: mar. 2019.
PIEGAS, L. S. et al. III Diretriz sobre o Tratamento do Infarto Agudo do Miocárdio. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, 2004 September; 83(suppl 4): 3-86. Disponível em: Acesso em: set. 2019.
PIEGAS, L. S. et al. Sociedade Brasileira de Cardiologia. V Diretriz da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre tratamento do infarto agudo do miocárdio com supradesnível do segmento ST. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, 2015;105(2):1-105. Disponível em: Acesso em: set. 2019.
RICARDO, D. R.; ARAÚJO, C. G. S. Reabilitação cardíaca com ênfase no exercício: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 12, n. 5, set./out. 2006. Disponível em: Acesso em: set. 2019.
ROBINNS, S. et al. Patologia estrutural e funcional. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. Pp. 497-505.
SANTOS, E. S. et al. Comparação entre troponina I cardíaca e CK-MB massa em síndrome coronariana aguda sem supradesnivelamento de ST. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, n. 96, v.3, p.179-187, 2011. Disponível em: Acesso em: mar. 2019.
SANTOS, J. C. A.; PIAGGI, L. F. D. Percepção do Enfermeiro Sobre o Atendimento ao Paciente com Suspeita de Infarto Agudo do Miocárdio, Revista Mineira de Ciências da Saúde. Patos de Minas, v.1, n.2, p.43-51, 2010. Disponível em: < http://ensaios.usf.edu.br/ensaios/article/view/16/59.> Acesso em: mar. 2019.
SILVA, L. G.; LIMA, F. M. R.; VIRGÍNIO, F. B. Cirurgia de revascularização do miocárdio nas cardiopatias isquêmicas, e suas complicações pós-operatórias 2008. Monografia. Disponível em: Acesso em: mar. 2019.
SILVA, R. C. G. et al. Angioplastia Transluminal percutânea coronariana para tratamento de infarto agudo do miocárdio sem supradesnivelamento do segmento ST em paciente com variação anatômica em artéria coronária direita. Centro Científico Conhecer. Goiânia, vol.6, n.11, 2010. Disponível em: Acesso em: fev. 2019.
SILVERTHORN, D. Fisiologia cardiovascular. In: Fisiologia Humana: uma abordagem integrada. 2. ed. São Paulo: Manole, 2003. Pp. 404-441.
SILVERTHORN, D. U. Fisiologia humana: uma abordagem integrada. 7. ed. Porto Alegre: Artmed, 2017. Cap. 14.
SBC. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Diretriz da SBC para tratamento de IAM. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. 2000. Disponível em: Acesso em: set. 2019.
________. V Guideline of the Brazilian Society of Cardiology on Acute Myocardial Infarction Treatment with ST Segment Elevation. Arquivo Brasileiro de Cardiologia 2015;105 (2Suppl1):1-105. Disponível em: Acesso em: set. 2019.
STEFANINI, E.; MATSUSHITA, A. M.; GIL; M. A. Síndromes coronárias agudas: angina instável e infarto agudo do miocárdio. In: STEFANINI, E.; KASINSKI, N.; CARVALHO A. C. Guia de medicina ambulatorial e hospitalar. UNIFESP/Escola Paulista de Medicina – Cardiologia. Barueri (SP): Manole, 2004. Pp.195-224.
TITOTO, L. et al. Reabilitação de pacientes submetidos à cirurgia de revascularização do miocárdio: atualização da literatura nacional. Arquivo Ciência da Saúde, v. 12, n. 4, p. 216-219, out./dez. 2005. Disponível em: Acesso em: set. 2019.
Publicado
2020-03-17
Como Citar
SILVA, G. C. DA; SANTOS, W. P. DOS. A IMPORTÂNCIA DA REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE 1 PÓS ANGIOPLASTIA CORONÁRIA TRANSLUMINAL PERCUTÂNEA NO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO COM SUPRADESNIVELAMENTO DO SEGMENTO ST. Scientia Generalis, v. 1, n. 2, p. 77-87, 17 mar. 2020.
Seção
Revisão de literatura