IMPACTOS NO FLUXO DE CAIXA EMPRESARIAL COM RELAÇÃO A RETIRADAS MONETÁRIAS SUPERIORES AO VALOR DO PRÓ-LABORE

  • Gustavo Ferreira de Magalhaes Faculdade Patos de Minas
  • Ana Clara Fonseca do Amaral Faculdade Patos de Minas
  • Cleyde Cristina Rodrigues Faculdade Patos de Minas
Palavras-chave: Pró-labore, Fluxo de Caixa, Capital de Giro

Resumo

O presente artigo se refere aos impactos do fluxo de caixa envolvendo retiradas maiores em relação ao valor do pró-labore, para tanto foi realizada uma pesquisa de campo na cidade de Patos de Minas, tendo entre outros autores Maion (2013), Coelho (2012), Tocantins (2018). A remuneração pró-labore é o equivalente ao salário de um sócio de uma empresa, em outras palavras, é a forma que esse sócio, que não tem remuneração fixa definida por um empresário, calcular o rendimento do seu trabalho exercido. Uma grande vantagem em relação ao pró-labore, é que ele é registrado como um custo ou uma despesa operacional, ou seja, ela não entra no lucro real obtido pela empresa ao final do período contábil. Uma desvantagem é que quando se faz retiradas de valores maiores, acarretará riscos no âmbito financeiro e organizacional da empresa, fazendo com que o fluxo de caixa seja afetado, atrasando processos como capitação de lucro e ser tributado no INSS e IRPF sobre a parcela que exceder. Objetivo do trabalho foi demonstrar os impactos e riscos em relação à exceção de retiradas maiores do pró-labore para empresas de todos os tipos, procurando resgatar alguns conceitos essenciais como capital de giro, fluxo de caixa deixando clara a diversidade de dois conceitos que várias pessoas confundem, que são a destinação de lucros e a remuneração do pró-labore. Conclui-se que a estipulação de valores acessíveis possa ajudar na alavancagem de qualquer empresa, pois fazendo corretamente, tende-se obter resultado bastante significativo. Portanto, tem-se uma visão em relação à fluxo de caixa, capital de giro e pró-labore, que, sempre que o fluxo de caixa estiver em alta, fazendo retiradas maiores do pró-labore, é necessário observar se não afetará o capital de giro em operações futuras.

Referências

ASSAF NETO, Alexandre; e SILVA, Cézar Augusto Tibúrcio. Administração do capital de giro. 2 ed. São Paulo: Atlas, 1997.

BAPTISTA, E.M.B. . Análise do perfil das empresas brasileiras segundo o nível de gerenciamento de resultados. Porto Alegre, RS. Tese de Doutorado em Administração. Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, 2008.

BARBIERI, Geraldo. Fluxo de Caixa – modelo para bancos múltiplos. Tese de doutorado. São Paulo: FEA/USP, 1995.

BATY, Gordon B. Pequenas e médias empresas dos anos 90 – guia do consultor e do empreendedor. São Paulo: Makron, 1994.

BRASIL, Código Tributário Nacional Lei nº 5172/66, Art. 150, § 4º. Disponível em , acessado em novembro de 2018.

COELHO, Fabio Ulhôa. A vedação de cláusulas leoninas e o pró-labore, Jusbrasil, 2012. Disponível em , acessado em: maio de 2018.

GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo. Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GITMAN, Lawrence J. Princípios de administração financeira. 7 ed. São Paulo: Harbra, 1997.

GITMAN, Lawrence J. Princípios de Administração Financeira.7.ed.São Paulo: Harbra,1997.

HIGUCHI, Hiromi, HIGUCHI, Celso Hiroyuki. Imposto de Renda das Empresas: Interpretação e Prática. 2 ed., São Paulo, Atlas, 2003.

LOPES, Celi Aparecida Espasandin. Literacia estatística e INAF 2002. In: Letramento no Brasil: Habilidades Matemáticas. Organização de Maria Conceição Ferreira Reis Fonseca. São Paulo: Global Editora, 2004.

MAION, José Aparecido. Demonstração do fluxo de caixa. 2013. Disponível em: , acesso em: 20/07/2018.

PEREZ JUNIOR, José Hernandes. Controladoria de Gestão – Teoria e Prática. São Paulo: Atlas, 1995.

RICHARDSON, Roberto Jarry; Pesquisa Social: Métodos e Técnicas. São Paulo: Atlas, 2012.

SILVA, de Plácido. Vocabulário jurídico. Rio de Janeiro: Forense, 2000.

TOCANTINS, Sandra. Pró-labore de uma empresa, Sebrae, 2018. Disponível em , acessado em 16/08/2018.
Publicado
2020-03-17
Como Citar
MAGALHAES, G. F. DE; AMARAL, A. C. F. DO; RODRIGUES, C. C. IMPACTOS NO FLUXO DE CAIXA EMPRESARIAL COM RELAÇÃO A RETIRADAS MONETÁRIAS SUPERIORES AO VALOR DO PRÓ-LABORE. Scientia Generalis, v. 1, n. 2, p. 66-76, 17 mar. 2020.
Seção
Artigos Originais